Quarta-feira, 14 de Março de 2007

Autógrafos - Natália Correia

 

Natália Correia (1923-1993)

Sonetos Românticos (1990)

 

 

 

Natália Correia (1923-1993).

   "...Sonetos Românticos: recado amigo de uma alma oculta que aqui floresce à luz da Mãe Radiosa..." Natália Correia, ensaísta, dramaturga, poetisa e parlamentar. Mulher, dos Açores e do mundo. Das suas incursões pelo teatro, salientem-se as peças O Encoberto (1969) e A Pécora (1983). Nítida referência ao anti-sebastianismo num momento crucial para o Estado Novo, a primeira, clara crítica à Igreja, a segunda. A sua poesia percorreu desde o início caminhos que anunciavam o hermetismo simbólico presente na lírica mais tardia. O texto desta dedicatória é disso exemplo, bem como os três sonetos que se transcrevem. Imaginemos Natália à noite, saindo do seu Botequim, uma alma oculta extasiada à luz do luar...

 

Ars Aurifera, III

Medita a rosa se queres ler no soneto

Sábia escritura de divina mão;

Não fátuo verso, luzir de esmaltes feito

Mas sons de imaculada concepção.

Primeiro andor do Verbo é o quarteto

Que leva a coroa para a final unção.

Quatro lumes dê mais o Paracleto

E de almo sol sai a coroação.

Alto segredo ultima esta verdade:

Acendidas as tochas da Trindade

Reincide o terceto até que vês

Por catorze degraus que ao plectro exigem

Desagravos do Verbo, ao cimo a origem

Do soneto. São contas que deus fez.

 

o Espírito

Nada a fazer, amor, eu sou do bando

Impermanente das aves friorentas;

E nos galhos dos anos desbotando

Já as folhas me ofuscam macilentas;

E vou com as andorinhas. Até quando?

À vida breve não perguntes: cruentas

Rugas me humilham. Não mais em estilo brando

Ave estroina serei em mãos sedentas.

Pensa-me eterna que o eterno gera

Quem na amada o conjura. Além, mais alto,

Em ileso beiral, aí me espera:

Andorinha indemne ao sobressalto

Do tempo, núncia de perene primavera.

Confia. Eu sou romântica. Não falto.

 

Poesia: Ó Véspera do Prodígio!

Creio nos anjos que andam pelo mundo,

Creio na Deusa com olhos de diamante,

Creio em amores lunares com piano ao fundo,

Creio nas lendas, nas fadas, nos atlantes,

Creio num engenho que falta mais fecundo

De harmonizar as partes dissonantes,

Creio que tudo é eterno num segundo,

Creio num céu futuro que houve dantes,

Creio nos deuses de um astral mais puro,

Na flor humilde que se encosta ao muro,

Creio na carne que enfeitiça o além,

Creio no incrível, nas coisas assombrosas,

Na ocupação do mundo pelas rosas,

Creio que o Amor tem asas de ouro. Ámen.

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 22:19
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. Old Chap

. Le Sacré du Printemps

. Word of Mouth

. Still Skating Around...

. Volare...

. Ouranos

. Staccato

. E Va...

. E La Nave Va...

. The End

.arquivos

. Fevereiro 2012

. Fevereiro 2011

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Junho 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.Visitas

blogs SAPO

.subscrever feeds