Quarta-feira, 11 de Abril de 2007

Autógrafos - Romeu Correia

 

Romeu Correia (1917-1996), Calamento (1950)

Capa de Manuel Ribeiro de Pavia (1907-1957)

 

 

Romeu Correia (1917-1996).

   Romeu Correia, praticante de atletismo e boxe, destacou-se na literatura como autor dramático e prosador com temáticas que o aproximam do neo-realismo. Destaquem-se entre as suas obras a  peça de teatro O Vagabundo das Mãos de Oiro (1960) e o romance Bonecos de Luz (1961). Centrando muitas vezes as suas narrativas em aspectos da vida regional, Romeu Correia traduziu apaixonadamente o quotidiano dos trabalhadores e da classe média na periferia de Lisboa. Em Calamento, aborda o sofrimento da vida na Caparica, elaborando um retrato complexo das relações familiares e laborais da comunidade piscatória, através de um discurso narrativo frequentemente oralizante.

   Desse romance, transcreve-se um parágrafo do fragmento Cadelinhas, inserido no capítulo do mês de Novembro:

 

   "Se os fins de Outubro foram chuvosos e trovejados, Novembro foi soprado com gana por milhentos foles do Inferno. Um sueste de travessão varou a praia de-lés-a-lés, arrumando os homens ao paleio e à mândria, sem saída de ganhá-lo. Pelos casebres, as mães sacudiam os fedelhos, ganfados às saias, rabugentos, pedinchões. O céu continuava confuso. A fera rugia da banda de lá da duna. Devoradas todas as reservas de peixe seco - carapau, polvo e cação - logo o parco pecúlio, obtido do veraneante, fora colmo à beira do archote. Cães famintos uivavam, acossados de porta em porta. Esburacavam-se panos - à míngua de sol, alfinetados em cordas -, sem que mão previdente os recolhesse. A penúria arrastava o desleixo. Pelo juncal sáfaro e ruim, rebolavam cardos, ervas nojentas, errantes, que o Estio ressequira, e a que o bufão decepara o caule. Tacanhas para regimentos familiares, as barracas atafulhavam-se de cordas, bóias, redes - toda a jigajoga do mar, que a navalha do tempo afugentara do seu couto. E as embarcações, afocinhadas no areal, sem viços, sem cores, bicas para os céus, esperavam, desgraçadamente, pelo fim de qualquer coisa! Confrangia a pedincha dos garotos: pão! pão! ó mãe, quero pão! E elas batiam-lhe, destrambelhavam-se, fartas de os ouvir - fartas de viver. E, à noite, quando os homens recolhiam ao telheiro, praguejavam contra eles: voceses nem parecem homes - são uns cagarolas, uns madraços! Para lá da duna, o mar rugia, rugia - e era papão para filhos e... pais. Então, eles sovavam as companheiras, abalando para a taberna, para qualquer canto."

 

© Blog da Rua Nove

 

 

 

publicado por blogdaruanove às 21:46
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. Old Chap

. Le Sacré du Printemps

. Word of Mouth

. Still Skating Around...

. Volare...

. Ouranos

. Staccato

. E Va...

. E La Nave Va...

. The End

.arquivos

. Fevereiro 2012

. Fevereiro 2011

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Junho 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.Visitas

blogs SAPO

.subscrever feeds