Terça-feira, 30 de Outubro de 2007

Azulejos (XVII)

 

Azulejo produzido na Fábrica das Devesas (de A. A. Costa), em Vila Nova de Gaia. Finais do século XIX, início do século XX.

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 15:11
link do post | comentar | favorito
|

FIBDA (7)

 

J. L. Duarte (datas desconhecidas), Kolanville (1974).

A agenda do XVIII Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora pode ser consultada em http://www.amadorabd.com/.

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 11:29
link do post | comentar | favorito
|

Portuguese Graffiti

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 00:09
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 29 de Outubro de 2007

Macau, 1936 (XXIV)

 

   Entrou, não sabendo por que entrava. O seu olhar continuava fascinado pelos múltiplos brilhos daqueles inúmeros botões. Botões de madrepérola, de osso, de marfim. Botões de metal, de vidro, de madeira. Botões de plástico e baquelite. Botões de massa e de pedra. Jade e malaquite. Ónix e olho de tigre. Azeviche. Um mundo caótico e heterogéneo, alternando brilhos ofuscantes com pequenas sombras, que sugeriam discretos segredos.

   Uns dedos de unhas largas e achatadas, de mãos lembrando a lisura do pergaminho, afastaram da sua vista, lentamente, o brilho hipnótico daquelas minúsculas preciosidades. Parecendo despertar de longo encantamento, tentou compreender o que fazia ali, naquela pequena loja, que cada vez parecia mais sombria. Olhou à sua volta. Fazendas e fitilhos. Tudo harmoniosamente empilhado em prateleiras, exibindo cores gritantes, decorações exuberantes. Tecidos alegremente femininos e orientais na sua opulência colorida. Aproximou-se de algumas peças, deslizando lentamente os dedos por aquelas cores inacreditáveis. Sentiu a espessura lenta dos veludos, a velocidade deslizante das sedas.   O que é que fazia ali, afinal?

   "Talvez lhe interesse um fato por medida?", ouviu, numa voz que, tendo pronunciado apenas um único "r", lhe pareceu trocar os "rr" pelos "ll"... O velho comerciante falava Português. Com um sotaque muito próprio, é claro. "Desculpe todos estes botões espalhados. São peças preciosas, sabe... O luxo das cabaias também depende destes detalhes..." (Ahá! Desta vez iria jurar que o "r" tinha saído enrolado, mesmo, tornando "pleciosas" as peças...) Esquecendo a fantasia daquele preconceito disparatado, pensou no ridículo da oferta. "Um fato por medida, com aqueles padrões?"

   O comerciante pareceu adivinhar a sua perplexidade. "Se tiver a bondade de descer por além, poderá ver tecidos mais discretos, para homem." Desceram para a cave. Escura. Parecia estar ali o depósito de toda a sóbria discrição dos fatos ocidentais. Um armazém da moda masculina europeia e do seu conservadorismo, em tons de castanho, cinzento e preto. Mas ao fundo, como que brilhando entre toda aquela monotonia, surgia o resplendor claro do linho e do algodão.

   Havia também uma pequena porta. Fechada. Para além dela, o que parecia ser o ruído da cidade. E o ruído da multidão nas ruas da cidade. E o ruído de milhares de motores e  milhares de máquinas. O ruído das fábricas que pareciam não existir naquela cidade. 

 

Macau, cerca de 1936.

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 23:57
link do post | comentar | favorito
|

Arquitectura em Madeira (32)

 

Edifício projectado pela empresa sueca J. O. Wengströms, Estocolmo, com o custo de construção de 350 Libras, no Brasil. Cerca de 1898.

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 22:00
link do post | comentar | favorito
|

Postais Antigos de Portugal - Chaves

 

25 - Portugal - Chaves - Trecho da Rua Direita

Bilhete postal emitido na década de 1920.

Edição da "Sociedade de Defeza e Propaganda de Chaves". Cliché de Fotografia Alves, Chaves (instalada no edifício visível em primeiro plano, no lado direito, onde ainda hoje se encontra). 

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 19:00
link do post | comentar | favorito
|

Literatura Colonial Portuguesa

 

Cartaxo e Trindade (1945-?), Chinanga (1969).

Autor que concitou radical concordância ou discordância e acaloradas amizades e inimizades, com a sua obra e com as suas opções de vida, Cartaxo e Trindade  viveu vários anos em Moçambique, tendo vindo a exercer o cargo de assistente universitário de Filologia Românica em Lisboa, durante o início da década de 1970. Sendo no final dessa década um militante da amizade e do intercâmbio com o mundo árabe (era entusiasta defensor da singularidade da via política e cultural então iniciada pela Líbia) veio a falecer vítima de SIDA, em data que não é possível precisar. 

Antes deste volume, tinha Cartaxo e Trindade publicado os livros de poesia Leve Aragem das Noites (1966), Treze Poemas Medievos (c. 1967) e 3.º Sexo Seixo (1968), anunciando-se em Chinanga o aparecimento para breve da Antologia da Novíssima Poesia de Moçambique e de Saudade Ronga (poesia), obras que, contudo, não se encontram referenciadas na B.N.L.

O seu livro Chinanga é dedicado a doze poetas e poetisas de Moçambique, que o autor classifica como os "novos das letras de Moçambique". Entre eles, encontra-se Luís Bernardo [Honwana (n. 1942)], a quem dedicou o poema Mamana, M'Chovane e Eu, cuja primeira estrofe é a seguinte:

 

   "aperto em meus braços de solidão

   a velha aldeia no monte de micaias

   m'chovane de algumas cantinas

   ermo cerrado flores negras

   estrada de terra batida

   onde o sol doura o doirado do orvalho santo

   as palhotas ficam metidas entre os arbustos

   e o capim cresce entre a terra e a lua(...)"

 

   Este discurso escrito, isento de maiúsculas e de qualquer pontuação e por isso próximo da oralidade, já tinha sido levada a outros extremos, conjugados com um aparente caos discursivo, no seu anterior livro, 3.º Sexo Seixo, o qual atingiu uma segunda edição ainda em 1968 e veio a ser compulsoriamente retirado do mercado pouco depois.

   A produção literária de Cartaxo e Trindade, assumidamente diferente e conscientemente candidata à marginalização na época em que foi publicada (note-se a dedicatória a Honwana, activista da Frelimo que havia estado encarcerado entre 1964 e 1967), surge como uma tentativa clara de dar voz à vivência negra na temática africana, insistindo no uso de léxico particular das várias etnias moçambicanas.  Mas esta característica, que não era exclusiva da literatura deste autor, surge acompanhada de uma proposta de inovação discursiva que remete claramente para um ensaio de modernidade literária na literatura colonial portuguesa. Este aspecto, que já tinha sido ensaiado na prosa durante essa década, particularmente em Angola, não tinha ainda sido consistentemente aplicado na poesia e surge como singular contributo do autor para a literatura colonial portuguesa de Moçambique. 

 

© Blog da Rua Nove

  

publicado por blogdaruanove às 17:31
link do post | comentar | favorito
|

Azulejos (XVI)

 

Azulejo produzido na fábrica Viúva Lamego (fundada em 1849), Lisboa. Segunda metade do século XX.

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 15:58
link do post | comentar | favorito
|

FIBDA (6)

 

Júlio Pinto (1949-2000) e Nuno Saraiva (n. 1969), Filosofia de Ponta, Volume Dois (1996).

A agenda do XVIII Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora pode ser consultada em http://www.amadorabd.com/.

 

© Blog da Rua Nove

 

publicado por blogdaruanove às 11:26
link do post | comentar | favorito
|

Expo 58 (6)

Imagem © Egicarte

 

Pavilhões da Turquia (projectado por U. Izgi, H. Sensoy, I. Türegün e M. Türkmen [datas desconhecidas]) e do Mónaco (projectado por Ch. Gamba [datas desconhecidas]).

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 10:00
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. Old Chap

. Le Sacré du Printemps

. Word of Mouth

. Still Skating Around...

. Volare...

. Ouranos

. Staccato

. E Va...

. E La Nave Va...

. The End

.arquivos

. Fevereiro 2012

. Fevereiro 2011

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Junho 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.Visitas

blogs SAPO

.subscrever feeds