Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2008

Autógrafos - Ascêncio de Freitas

 

Ascêncio de Freitas (n. 1926), Cães da Mesma Ninhada (1960).

Capa de Garizo do Carmo (n. 1927).

 

 

Ascêncio de Freitas (n. 1926). 

   Cães da Mesma Ninhada foi o volume de estreia de Ascêncio de Freitas. Aí anunciava-se já a preparação do livro de contos Fronteira do Inferno e do romance Da Terra Crescem Raízes, obras que não chegaram a surgir com esses títulos. Aliás, o autor apenas voltou a publicar na segunda metade da década de 1970, quando surgiram os volumes À Boca do Passado (1977?), Ontem Era a Madrugada (1978) e E a Raiva Passa por Cima, Fica Engrossar um Silêncio (1979).

   Posteriormente, publicou ainda Boca do Passado (1981), Crónica de Dom António Segundo (1983) e na década seguinte Carmen Era o Nome (1996) e Na Outra Margem da Guerra (1999). Já neste século,  surgiram O Canto da Sangardata (2000), Mentiras, Elefantes e Etcétera: Estórias de Caça em África (2000), A Reconquista de Olivença (2001), Estória do Homem que Comeu a Sua Morte e Outros Contos (2002) e A Paz Enfurecida (2003). 

   Tendo chegado a Moçambique em 1949, Ascêncio de Freitas foi desde o início da sua colaboração em jornais e revistas literárias classificado como um autor moçambicano. No entanto, a acção da maioria dos contos de Cães da Mesma Ninhada, volume premiado pelo Centro de Cultura e Arte  da Beira, em Moçambique, decorre essencialmente nas regiões costeiras da Estremadura e Beira Litoral. Apenas o último conto, "Uma Casa na Serra", apresenta um espaço de acção moçambicano.

   Do conto "Linhas de Rumo", transcrevem-se alguns parágrafos:

 

   "Excitado, levou o copo à boca e emborcou-o. Marçalo inclinou-se sobre a mesa e pousou a mão aberta sobre a toalha.

   – Olhe! Quer ouvir uma coisa que eu lhe digo? O padre da minha freguesia é um tipo teso de verdade.

   O sargento riu-se:

   – Qual o quê. Ó rapazinho! Havia de os ver quando eles andaram metidos com os trauliteiros. Pareciam coelhos quando a gente chegava.

   Marçalo virou a cara e ia protestar quando a porta se abriu e entrou um sujeito muito bem vestido e de chapéu na cabeça. Atrás dele entrou outro do mesmo tipo: logo em seguida entraram mais dois, fardados e de cassetete na mão.

   A sua entrada fez calar o padre que discursava e todos olharam ao mesmo tempo para a porta. Mas de repente o padre recompôs-se e recomeçou o discurso como se não tivesse entrado ninguém na sala.

   Marçalo sentiu um arrepio a percorrer-lhe os ossos. O sargento ficou de boca aberta e de copo na mão.

   O padre falava com segurança sem olhar para os outros que tinham entrado. A sua veemência assustava Marçalo. E o sargento começou a murmurar surdamente, entre dentes:

   – Sim senhor!... Sim senhor!...

   Os dois homens bem vestidos dirigiram-se para o padre. Vários homens se levantaram. Entre eles, Marçalo viu Ramalho e o homenzinho baixo. Depois viu Ramalho afastar a cadeira e colocar-se diante dos dois homens. Ficou espantado com o que se passava com a cara do outro: estava pálido e tinha aquela expressão que o fazia temer quando eram garotos e andavam os dois na escola.

   O padre continuava a falar.

   Os dois homens interpelavam Ramalho e ele abanava a cabeça, numa negativa segura e calma. De repente um quis dirigir-se para o padre e ele pôs-lhe a mão aberta diante do peito; depois abriu a mão sobre o  peito do outro fechando-lhes a passagem. Começou a empurrá-los, brandamente...

   Um dos polícias adiantou-se e Marçalo sentiu uma angústia gelada cair dentro de si. Viu o outro vibrar uma pancada forte com o cassetete num dos braços do amigo, que caiu inerte, ao longo do corpo. Depois atirou-lhe nova pancada que lhe apanhou um lado da cabeça.

   Marçalo olhou os outros, rígidos, em fila: as caras sem expressão, como se fossem de cera. O raciocínio não lhe dizia nada e sentia no corpo uma onda enorme de medo, que o sufocava. Ramalho ficara quieto, com os braços caídos e aquela máscara branca e dura a fechar-lhe o rosto. O padre deixara de falar e olhava a cena com os olhos muitos sérios.

   Marçalo, sem saber porquê, curvou-se para o sargento e perguntou-lhe as horas: o outro não desfitou o grupo formado por Ramalho e os três polícias, e não respondeu."

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 23:15
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De maria joao carmo a 25 de Dezembro de 2008 às 19:43
O autor da capa "Cães da mesma ninhada", curiosamente, é meu primo, os nossos avôs Carmos eram irmãos e casaram na Beira. Um, o meu, casou com uma Ornelas e Silva, e o outro, o dele casou com uma Garizo dando assim origem a estas duas raízes da mesma árvore.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. Old Chap

. Le Sacré du Printemps

. Word of Mouth

. Still Skating Around...

. Volare...

. Ouranos

. Staccato

. E Va...

. E La Nave Va...

. The End

.arquivos

. Fevereiro 2012

. Fevereiro 2011

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Junho 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.Visitas

blogs SAPO

.subscrever feeds