Sexta-feira, 4 de Janeiro de 2008

Aspectos do Vidro em Portugal no Século XX

  

 

Jarra em vidro branco leitoso, opaco, decorada a esmalte e ouro e assinada "CIP" (Companhia Industrial Portuguesa) e "G.", produzida na Marinha Grande. Década de 1940.

  

   A produção vidreira da Marinha Grande durante o período Art Déco apresentou um grande ecletismo no tipo de vidro produzido e nas técnicas decorativas, mantendo a criação de peças que apelavam ao gosto mais conservador.

   Assim, a produção do vidro branco, leitoso e opaco, evocando a porcelana, permitia apresentar um corpo que acentuava a riqueza do trabalho a ouro e propiciava a execução de desenhos inspirados na decoração de séculos anteriores.

   O vidro opalino, branco e translúcido, característico de alguma produção da primeira metade do século XIX, não foi, contudo, uma das opções das fábricas da Marinha Grande durante o século XX, provavelmente devido às características morosas e onerosas da produção dessa pasta de vidro.

 

 

Pequena jarra em vidro branco leitoso, opaco, decorada a esmalte, possivelmente produzida na Marinha Grande. Década de 1940.

 

   A apresentação de formatos que evocavam as tradicionais formas das peças em majólica e porcelana, como as jarras cilíndricas designadas por "canudos", serviu também para suavizar uma eventual modernidade da decoração, satisfazendo deste modo o potencial conservadorismo do mercado.

   A inexistência de decoração a ouro, porém, tornava a produção das peças menos morosa e onerosa, apelando assim uma classe média que estaria mais aberta a uma inovação decorativa aliada a um custo menos elevado da peça.

 

 

Copo em vidro branco leitoso, cristalino e opalino, decorado a esmalte e ouro, de provável produção francesa. Primeira metade do século XIX. O vidro opalino, um vidro branco leitoso e translúcido, produzido no início do século XIX através da inclusão de cálcio (habitualmente obtido a partir de ossos calcinados), apresenta cintilações de fogo quando mantido contra a luz. Posteriormente, em França, ainda no século XIX, o vidro opalino foi aperfeiçoado com uma nova tonalidade, denominada Gorge de Pigeon, que apresenta fulgurações cor de rosa.

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 13:56
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. Old Chap

. Le Sacré du Printemps

. Word of Mouth

. Still Skating Around...

. Volare...

. Ouranos

. Staccato

. E Va...

. E La Nave Va...

. The End

.arquivos

. Fevereiro 2012

. Fevereiro 2011

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Junho 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.Visitas

blogs SAPO

.subscrever feeds