Terça-feira, 8 de Janeiro de 2008

O Colégio de Regeneração em Braga

Pormenor de uma colcha em lã e algodão, com o padrão "Boa Noite", manufacturada nos teares do Colégio da Regeneração, em Braga. Primeira metade do século XX.

 

   Durante décadas, o Colégio de Regeneração, em Braga, tem sido um espaço de eleição para muitas famílias do norte de Portugal encomendarem os seus trabalhos em linho, lã, ou algodão.

   Vários enxovais se iniciaram com lençóis, colchas, toalhas de mesa e toalhas de rosto aí manufacturadas e muitas obras dos teares desta instituição têm sido carinhosamente conservadas ao longo de várias gerações como exemplo de trabalhos executados com perfeição.

   O Colégio de Regeneração foi fundado em 1869 e situava-se primitivamente na Rua do Areal, nos arredores de Braga, denominando-se então Casa de Abrigo. Em 1871, dada a exiguidade das instalações iniciais, que foram abandonadas, a instituição arrendou a Casa da Armada, na freguesia de S. Victor. Pouco depois, em 1874, registou-se nova deslocação para um outro espaço, a Casa do Avelar de Baixo, na Rua dos Pelames. Foi neste último ano que o Colégio estabeleceu os seus estatutos e passou a receber esta designação.

   O artigo 2 desses estatutos estabelecia assim a finalidade do Colégio – "O fim do Collegio é retrahir do caminho de perdição e rehabilitar religiosa e civilmente as pessoas do sexo feminino extraviadas e sem meios de subsistencia."

 

Gravura representando o primitivo Convento da Conceição, em Braga.

 

   A partir de 1883, por falecimento da última religiosa aí residente, passou a ocupar totalmente o edifício do antigo Convento da Conceição, que havia sido fundado na primeira metade do século XVII. No entanto, devido a uma portaria do Ministério da Justiça e à concessão que esta estabelecera, o Colégio havia já ocupado parcialmente o Convento em 1879. Posteriormente, durante os finais do século XIX e o início do século seguinte, o primitivo espaço conventual foi submetido a diversas obras de adaptação e ampliação para corresponder às características da instituição que passou a albergar.

   Em 1892, o Colégio contava com seis máquinas de costura, duas de malha, uma de empregar e outra de ruches, equipamento que foi aumentado com mais quatro máquinas de costura e uma máquina de corte, em 1902. Nos primeiros anos do século XX, as oficinas de tecelagem estavam equipadas com trinta e um teares, dos mais diversos tipos – desde os tradicionais até às máquinas Jacquard, produzindo peças de pano que podiam chegar aos dois metros e meio.

 

Pormenor de uma toalha de mesa em linho, com o padrão "Bom Dia", manufacturada nos teares do Colégio da Regeneração, em Braga. Segunda metade do século XX.

 

   Nessa época, as oficinas da instituição fabricavam tecidos de linho simples e mesclas de algodão, lã e juta, desde a estamenha à bretanha. As especialidades eram as mais diversas, abrangendo o riscado, a sarja, o chamado "pano de família", o pano de linho, toalhas de rosto e de mesa, simples e adamascadas, guardanapos, colchas, panos de mesa e lenços. 

   Em 1904 o Colégio contava com 130 asiladas, das quais quarenta e nove se empregavam nos serviços de costura, malha e bordados, vinte e quatro nos serviços de engomadoria e trinta e cinco nos serviços de tecelagem.

 

 

   Ficcionalmente, Maria Ondina Braga (1932-2003) evocou este colégio no seu conto "Casa de Regeneração", publicado no livro Amor e Morte (1970; posteriormente, os contos deste volume foram refundidos e aumentados, surgindo num novo livro com o título O Homem da Ilha [1982]).

 

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 15:35
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Uma concepcionista a 18 de Dezembro de 2008 às 18:01
Gostei muito de ler esta artigo sobre o Convento da Regeneração, antigo Convento das Concepcionistas da Ordem da Imaculada Conceição, parece que foi o primeiro Convento concepcionista em portugal. A Ordem foi fundada em 1489 por santa Beatriz da Silva ( a única Santa Portuguesa canonizada).
Muito obrigado, gostei de saber de tantos pormenores duma Casa que eu sempre ouvi falar dela.
De blogdaruanove a 19 de Dezembro de 2008 às 16:58
Agradeço o comentário e congratulo-me com o facto simbólico de o mesmo ter sido escrito no dia 18 de Dezembro...

Saudações!

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. Old Chap

. Le Sacré du Printemps

. Word of Mouth

. Still Skating Around...

. Volare...

. Ouranos

. Staccato

. E Va...

. E La Nave Va...

. The End

.arquivos

. Fevereiro 2012

. Fevereiro 2011

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Junho 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.Visitas

blogs SAPO

.subscrever feeds