Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2008

Autógrafos - Domingos Lobo

 

Domingos Lobo (datas desconhecidas), Os Navios Negreiros não Sobem o Cuando (1993).

 

 

   Jornalista e dramaturgo, Domingos Lobo iniciou o seu percurso de romancista com a presente obra. Havia até então elaborado as peças Pensa Enquanto Tens Cabeça (1978), Vida e Morte de um Português Mal-Comportado (1980), representadas pelo grupo de teatro  A Comuna, Veneno, difundida pela RDP1, e Um Violino na Lama (1992), peça sobre a vida e obra do escritor José Gomes Ferreira (1900-1985).

   Um extraordinário relato da vivência militar em África durante o final da década de 1960, Os navios Negreiros não Sobem o Cuando, combina de forma particularmente interessante uma evocação subtil e erudita de Eros e Thanatos com a frontalidade brutal das misérias e do quotidiano do conflito colonial em Angola. Uma obra que merece certamente ser recuperada do esquecimento em que se encontra, que merece ser reeditada e merece entrar nos grandes circuitos comerciais.

   Deste romance transcrevem-se três parágrafos:

 

   "Estou-me borrifando prà morte, pá, dissera o Barão uma noite, a poesia e a música é que me hão-de salvar deste atoleiro. O Barão era o animador privativo das nossas noites de cerveja e petisco. O Barão cantava e nós imaginávamos Trindades  na mata, com o Eusébio a mandar vir marisco, o Baptista-Bastos à conversa com o Manuel da Fonseca, o Diniz Machado com o Molero entre portas, o João Gaspar Simões a dizer que os "Cem Anos de Solidão" era uma trampa de romance, e que mais tarde ou mais cedo isto virava tudo em em Garcias e Marquez e pouca vergonha – e outras amoráveis visões quejandas. E uma cervejinha agora, mesmo à temperatura ambiente, até vinha a calhar.

   Transpirávamos, os poros dilatavam-se e um óleo espesso, nauseante, escorria pela pele, doía nas axilas e nas virilhas, fervíamos por dentro a todo o  vapor como as panelas de pressão na messe: íamos rebentar. O Belezas tremia rezando à deusa Walther cada vez mais perdida e insignificante na cratera das mãos papudas, o Santos limpava o suor que lhe limpava os olhos vermelhuscos, assustados, com um lencinho que sua mãe lhe ofertou quando ele, menino obediente e respeitador, fez a primeira comunhão. O Branco estava pálido, blasfemava: se esta merda não acaba já fodo os macacos todos; desabafou – eu numa lástima como se imagina pelas amostras juntas. O Barão, que limpava, sereno e absorto, as unhas com a faca de mato, levantou-se ligeiro, foi à trouxa, tirou a viola do saco e começou a trautear alto e bom som o "A Little Help From My Friends". Primeiro moderato pianíssimo, après cantabile, pui forte, allegro, por aí fora numa salganhada de sons desavindos e inglês de doca, o pessoal atónito chiu, cala-te merda e o Barão na sua Lend me Your ears and I'll sing you a song, And I'llytry not ro sing out of key [sic]. I get high with a little help from my friends, o Belezas estupefacto com o insólito isto é de mais, vão matar-nos a todos, fecha a fossa bitle de merda, o Barão caprichando nos compassos, arrebatado no despropósito Do you need anybody, I need somebody to love. Could it be anybody I want somebody to love. A malta, pouco a pouco aconchegada à melodia, foi-se adaptando àquele disparate, entrando a a arranhar o refrão, trauteando a medo e o Barão, dominador, pedia coro, força malta, Yes I get by with a little help from my friends, vá, malta, outra vez com mais força encham os pulmões carago What do you see when you turn out the light, I can't tell you, but I know it's mine, força nessas goelas para os gajos não pensarem que estamos todos borrados. Oh I get by with a little help from my friends, Do you need anybody, I just need somebody to love, quem está borrado?, ninguém gritava o coro da berliet, ninguém, with a little help from my friends, ninguém gritava [sic] de pulmões acesos os mais afoitos, os outros, num inglês príncipe-de-gales a metro da Rua dos fanqueiros, perdidos em sustenidos e bemóis, refraoavam o que a garganta dava: Oh I get by with a little help from my friends, era lindo de ver, no assustar da passarada, no espantar dos répteis, no exorcisar dos fantasmas e dos medos. esconjuravam em coro tenebroso, aos ares da mata da Kapua, os assombros e a fúria, a vida toda exposta num grito de socorro.

   Ao longe avistava-se já o fim da mata, uma claridade frouxa ao fundo da picada, o começo de deserto, o fim do pesadelo. O dia começava a despontar em fios de ovos no alto dos embondeiros."

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 13:35
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Domingos Lobo a 30 de Janeiro de 2008 às 12:33
Meu caro José António Coelho,

Agradeço-lhe comovidamente as palavras amáveis que escreveu sobre o meu livro "Os Navios Negreiros não Sobem o Cuando".
Informo-o de que saiu, em 2005, de novo na Vega, uma 2ª. edição de "Navios", corrigida e aumentada, com prefácio de Rui de Azevedo Teixeira.
Apesar de considerado por alguma crítica como um dos dez textos canónicos sobre o conflito colonial, o meu livro ainda não obteve a difusão pública que a sua recensão diz reconhecer-lhe. Somos o País que somos, com as limitações de difusão conhecidas e as pequenas editoras (como a Vega) têm cada vez menos espaço nos media ditos de referência: os autores acabam por sofrer desses constrangimentos. Tenhamos esperança.

Um abraço de admiração e agradecimento,

Domingos Lobo
De blogdaruanove a 31 de Janeiro de 2008 às 11:54
Bom dia, Domingos Lobo.
Agradeço, também, os seus amáveis comentários, lamentando que as características deste blog não aconselhem recensões mais alargadas, como o seu livro (e outros entretanto referidos) mereceria.
De facto, a 2.ª edição da sua obra encontra-se registada no site da BNL e só não foi referida por lapso meu. O que o site da BN não refere é a sua data de nascimento (que presumo se situará em finais da década de 1940), pelo que agradecia essa indicação para completar as informações do post.
É lamentável que a Vega, que tantos e tão importantes textos tem editado, num trabalho fundamental para a literatura portuguesa da segunda metade do século XX, seja afectada pelos diversos constrangimentos que são conhecidos. Há muitos autores maiores aí publicados a merecerem a divulgação que as grandes máquinas de propaganda (das editoras, da imprensa, e outras) dispensam muitas vezes a obras e autores menores...
Saudações!

(PS - A pessoa a quem dedicou o seu autógrafo já não é detentora do exemplar reproduzido nem tem qualquer relação com este blog.)

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. Old Chap

. Le Sacré du Printemps

. Word of Mouth

. Still Skating Around...

. Volare...

. Ouranos

. Staccato

. E Va...

. E La Nave Va...

. The End

.arquivos

. Fevereiro 2012

. Fevereiro 2011

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Junho 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.Visitas

blogs SAPO

.subscrever feeds