Terça-feira, 24 de Abril de 2007

Adelina Abranches

Caricatura de Pedro Cid, O Vira, n.º 1, 1 de Março de 1906.

 

   Adelina Abranches (1866-1945) estreou-se como actriz logo em 1871, no teatro D. Maria. Celebrizou-se como intérprete de papéis masculinos e de peças vicentinas, tendo alcançado uma posição notável entre os actores do seu tempo. Já no fim da sua carreira foi distinguida com o colar da Ordem de Santiago.

   Sobre ela, e o seu desempenho na peça Ressurreição, escreveu o crítico teatral Braz Burity (Joaquim Madureira), no seu livro Impressões do Teatro: 1903-1904 (1905): 

 

   "Adelina Abranches – uma organisação de artista inculta e espontanea num corpo rachytico e minusculo de boneca – com largo cadastro de dramalhões no Principe Real a zigzaguiarem-lhe, em borrões de plebeismo e faulhas de talento, a curva ascensional da sua carreira artistica, é a mais modelar vocação dramática que as plateias populares teem entorpecido, e, tendo vincado na Arte radiosa e pujante das Privilegiadas, o papel de Yanetta, no Robe Rouge, e a sahida do commissariado na Rosa Engeitada, é hoje, entre a gente nova da troupe de S. Luiz a mais baixa das mulheres e a mais alta das artistas, a de menores classificações nos canhenhos da claque e a de maiores recursos na simplicidade dos processos. Tem uma individualidade e impõe-na, ao lado das que têem figurinos e os decalcam."

 

  

Adelina Abranches no último acto da revista À Procura do Badalo

Note-se a indumentária de influência Arte Nova, celebrizada pela actriz francesa Sarah Bernhardt (1844-1923) e pelo ilustrador checo Alphonse Mucha (1860-1939).

 

   "Com uma voz destestavel e uma figura liliputiana, sem educação artistica de conservatorios e de viagens á Estranja, aguentou e defendeu o seu papel da Resurreição, complexo e cheio de gradações, tendo sido, á força do talento, ingenua e lilial [?] na Katucha , sordida e bestial, á custa de originalidade e de estudo, na Maslowa, nuançando scena a scena, phrase a phrase, gesto a gesto, toda a evolução daquella alma de mulher: da castidade infantil á luxuria do alcouce; da inconsciencia da prisioneira ao renascer pelo amor, na enfermaria; e, á resurreição, pelo sacrificio, na Siberia."

[Como é óbvio, a transcrição respeitou a grafia original.]

 

Adelina Abranches contracenando com sua filha, Aura Abranches (1896-1962),

na peça Duas Vidas, que Charles Oulmont escreveu propositadamente para a actriz.

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 12:43
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Geohound_devoid a 26 de Abril de 2007 às 11:33
Se tiver problemas em manter a grafia do blog original, copie o texto antes para o bloco de notas e só depois para o editor de texto do seu blog. Assim faz um reset ao texto e ficará com a grafia default do seu blog.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. Old Chap

. Le Sacré du Printemps

. Word of Mouth

. Still Skating Around...

. Volare...

. Ouranos

. Staccato

. E Va...

. E La Nave Va...

. The End

.arquivos

. Fevereiro 2012

. Fevereiro 2011

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Junho 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.Visitas

blogs SAPO

.subscrever feeds