Terça-feira, 12 de Junho de 2007

João da Silva

João da Silva, "Passarinhos vinde em bando a ver anjinho tão lindo." (1949).

Medalhão em prata, de Anjo da Guarda, para berço.

 

João da Silva (1880-1960)

   Escultor marcante da primeira metade do século XX, tem sido votado ao esquecimento nas últimas décadas. Em parte devido à sua opção pelos mais diversos meios de expressão artística na escultura, alguns estigmatizados por pertencerem às chamadas artes decorativas, em parte pelas complicações legais que afectaram o seu legado artístico e a criação da sua Casa-Museu (http://pt.wikipedia.org/wiki/Casa_Museu_Jo%C3%A3o_da_Silva). Exerceu também a sua arte na medalhística, na numismática (são da sua autoria as famosas moedas de prata Caravela, que circularam entre as décadas de 1930 e 1960) e na joalharia (veja-se a soberba jóia reproduzida abaixo), tendo desenhado ainda várias peças especificamente para a produção cerâmica, em particular para as fábricas da Vista Alegre e do Candal, em Portugal, e da Rosenthal, na Alemanha.

   Evocando João da Silva, escreveu José Rodrigues Miguéis (1901-1980) na sua obra, publicada postumamente, Aforismos e Desaforismos de Aparício (1996):

 

   "13 de Dezembro de 1977

   Creio que foi pela minha mão, em 1930, que a primeira imagem da Senhora de Fátima deu entrada em Portugal. Ao regressar da Bélgica, e do meu primeiro ano como bolseiro da Junta de Educação Nacional, detive-me em Paris de visita (demorada) aos nossos amigos expatriados (Proença, Sérgio, Cortesão e tantos outros). Foi então que o escultor João da Silva, destemido antifascista e livre-pensador, além de cunhado de António Sérgio, me pediu que trouxesse para aqui um medalhão de gesso do tamanho de uma roda de carroça com a imagem da milagrosa, que de cá lhe fora encomendada. Aceitei gostosamente o encargo do amigo, do artista e do correlegionário. Ao chegar a Irun, os carabineros puseram-me o problema da entrada em Espanha de uma obra de arte estrangeira, e exigiram-me o pagamento já não sei de que taxas aduaneiras. Protestei, naturalmente, e eles chamaram o capitão do posto para arbitrar o caso. Como ele tomasse o partido dos subordinados – obra de arte, havia que esportelar! – eu argumentei no meu melhor castelhano que aquela Benta Imagem de Senhora de Fátima (ou não sabia ele do Milagre?) era um artigo religioso da minha fé e meu uso pessoal, e que, todas as noites, eu não podia adormecer sem lhe ter rezado fervorosamente e de joelhos. "Ah!", disse então o militar, "se é um objecto pessoal de fé religiosa, então não está sujeito a imposto aduaneiro! Pode passar!" Fez-me uma continência respeitosa, imitado pelos subordinados, e eu, tendo correspondido, agarrei na gigantesca roda de gesso, e fui tomar lugar na carruagem."

 

João da Silva, Perseu e Andrómeda. Alfinete de peito em ouro, com esmeraldas, diamantes e uma pérola. Jóia leiloada pela casa Christie's, Genebra, em 1986.

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 22:54
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. Old Chap

. Le Sacré du Printemps

. Word of Mouth

. Still Skating Around...

. Volare...

. Ouranos

. Staccato

. E Va...

. E La Nave Va...

. The End

.arquivos

. Fevereiro 2012

. Fevereiro 2011

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Junho 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.Visitas

blogs SAPO

.subscrever feeds