Terça-feira, 5 de Fevereiro de 2008

Do Himalaia a Tóquio

 

   A novela Macau (cuja narrativa se desenrolará até 1940), sendo embora uma obra de ficção, inspira-se em registos de viagens efectuadas na segunda metade da década de 1930 pelo avô do autor e em muito do espólio oriental que se encontra na posse da família.

 

    

 

   Os livros cujas capas se reproduzem constituíram também uma inestimável fonte de informação sobre a época – Os Portugueses na China (1938), de Salvador Saboya (datas desconhecidas); China, País da Angústia: Kakemonos (1938), de Ruy Sant'elmo (pseudónimo, datas desconhecidas); Do Himalaia a Tóquio: Problemas do Extremo Oriente (1941), de Rodolfo Walter (datas desconhecidas),  e China de Ontem, China de Sempre (1948; embora publicado apenas neste ano, reflecte a vivência do autor na China durante a década de 1920), de L. Esteves Fernandes (datas desconhecidas), bem como o livro Visões da China (1933) de Jaime do Inso (1880-1967), cuja capa já foi reproduzida (http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/117595.html).

   Como é óbvio, foi ainda fonte de inspiração para algum do imaginário da novela toda a obra de Wenceslau de Moraes (1854-1929), principalmente aquela que reflecte a sua experiência na China e em Macau.

 

(A novela continua em http://ilusoesurbanas.blogs.sapo.pt/9136.html)

 

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 01:45
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Segunda-feira, 7 de Janeiro de 2008

Reflexos

 

 

   Detalhe de uma xilogravura de Utagawa Kunisada (1786-1865), também conhecido como Toyokuni III, representando um samurai abrigando-se da neve sob uma capa de palha.

 

(http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/366201.html)

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 15:24
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 26 de Setembro de 2007

Autógrafos - César dos Santos

 

César dos Santos (1907-1974), Neblina (1956).

Ilustração para a capa de Manuel Ribeiro de Pavia (1907-1957).

 

 

César dos Santos (1907-1974).

   Jornalista, ensaísta e ficcionista, César dos Santos escreveu várias crónicas e reportagens sobre Lisboa. A sua atenção recaíu também sobre o Oriente e o Japão, sendo autor de O Japão na História, na Literatura e na Lenda (1943), O Japão Através da sua Literatura (1945) e Viagens Maravilhosas às "Terrras do Céu" (1949).

   Durante a década de 1950, tal como acontece em Neblina, ainda anunciou a entrada no prelo de um conjunto de manuscritos intitulados Homens que Trocaram a Alma: I – Lafcadio Hearn; II – Venceslau de Morais (3 vols.), mas não existe registo da sua efectiva publicação.

   Do seu livro de contos Neblina, transcreve-se um parágrafo de 'Sol Escondido':

 

   "Era bem o farrapo de uma vida ao sabor do acaso, uma mulher que ainda não dobrara a curva para a vertente, mas em plena decadência. Flexível, quase aérea, de linhas correctas, formas delicadas, que teriam sido perfeitas antes de maceradas e poluídas pelos dominadores brutais, pelas sofreguidões e os sádicos apetites de embarcadiços exasperados na solidão errante, acirrados pela bebida, era de uma beleza triste, meiga e atraente, ao mesmo tempo submissa e perversa. Sob a aparência dolorida, de desconsolo, de lamentável abandono, de insensibilidade, o que quer que fosse de indizível e imperiosa atracção sexual, como o fremir da sensualidadae doentia, da languidez mórbida dos temperamentos voluptuários, ardentes, impulsivos, de excessiva temperamentalidade, transmitia uma forte e acaroçoadora sedução amorosa, apesar do estigma do vício, do grotesco do traje, do canalhismo adquirido no contacto com a fauna depravada e o meio degradante. Mas os olhos, insondáveis profundidades de mistério de onde poderia irromper o vulcão das paixões violentas e trágicas, tinham uma expressão de magoada doçura que enternecia; e na transparência desses oceanos de angústia e lágrimas represadas havia candura, delicadeza, o poético enlevo das almas femininas, emotivas, gentis e sonhadoras." 

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 12:32
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 13 de Setembro de 2007

Hirosuke Watanuki

 

Hirosuke Watanuki (activo em Portugal, 1950-1960), Lisboa – Martim Moniz Square. Bilhete postal, editado pelos Transportes Aéreos Portugueses, circulado em Dezembro de 1963.

 

Consulte a curiosa nota (em Inglês) sobre a suite do Hotel Hanakoyado (http://alimali.jp/contents/stay/hanakoyado/hotel/ehana-2.html) , em Kobe, no Japão, bem como a nota sobre Wenceslau de Moraes (1854-1929) na sua página principal.  

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 17:47
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sexta-feira, 7 de Setembro de 2007

Macau, 1936 (XVI)

 

   Pequenos pormenores como aquele deixavam-no extremamente preocupado. Como pudera ter ignorado a ilha de Sanchoão no mapa, ali mesmo à sua frente? Não se conformava. E sabia de antemão que estavam ao largo daquela ilha. Havia poucos dias, ainda, tinha recordado o percurso de S. Francisco Xavier pelo Oriente...

   Detestava-se a si mesmo por tais deslizes. Nem se preocupava sequer com o que os outros pudessem pensar. Simplesmente, não tolerava tamanha distracção. Parecia-lhe inadmissível. Era-lhe insuportável não ter notado algo tão lógico e evidente!

   O casal japonês notou a perturbação que  se apoderara dele. Entreolharam-se. Perceberam que o estrangeiro tinha de facto muito que aprender. Mas não sobre áridas minúcias ou inconsequentes considerações eruditas. Teria que aprender mais sobre si próprio. Teria de saber aceitar as suas próprias limitações, os seus próprios defeitos. Teria de aprender a crescer dentro de si próprio.

   Entreolharam-se novamente. Em silêncio, haviam concordado numa maneira de enfrentar a perturbação do estrangeiro e de contornar aquela situação embaraçosa.

   O antiquário dirigiu-se para uma larga mala de porão que, contrariando o seu nome, se encontrava encostada à parede do camarote. Estava colocada ao alto e abriu-se como um livro. De uma prateleira interior, retirou uma pequena caixa de madeira. Trouxe-a na palma das mãos até ao estrangeiro, sorrindo. "Uma pequena recordação da minha terra." disse, estendendo os braços, "Aceite-a, por favor."

   Olhou para a caixa que lhe era estendida. Uma caixinha rectangular com madeiras exóticas embutidas. De um lado, um pequeno pássaro, do outro uma vista distante do Fuji. Tentou abri-la. Não conseguiu. Seria apenas uma peça decorativa? "É uma caixa de segredo", ouviu, "É preciso tempo e paciência para se aprender a abrir uma destas caixas..."

   Nessa altura, já a esposa do antiquário se dirigia para ele com outro objecto. Ah! Aquele era conhecido. Um leque de charão. Mas nova surpresa lhe estava reservada. O japonês acrescentou: "Agora, aceite uma recordação da terra para onde vai, esse pequeno grão de areia no velho e vasto Império do Meio..." A japonesa, silenciosa e sorridente, abriu o leque. Ficou perplexo! As varetas desdobravam-se à sua frente, arredondadas e vazias, como espinha de raia no fim de uma refeição... De que serviria um leque sem seda ou o cetim? Sorrindo, ainda, a japonesa observou: "Um leque destes lembra-nos o resto da nossa vida, os anos que ainda temos para viver, aquilo com que queremos preencher esse espaço. Sempre poderemos escolher o tecido e a decoração a nosso gosto..."

  

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 23:59
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 5 de Setembro de 2007

Message

 

Detalhe de uma xilogravura ōban (c. 39 x 26 cm) de Utagawa Kunisada (1786-1865), também conhecido como Toyokuni III.

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 16:14
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 21 de Agosto de 2007

... Wenceslau de Moraes, do Japão!

 

Aspectos do interior da casa de Wenceslau de Moraes, em Tokushima, pouco depois da sua morte. Fotografias publicadas no magazine Civilização, número 19, de Janeiro de 1930.

 

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 16:19
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Ah! Wenceslau de Moraes...

 

Aspectos do interior da casa de Wenceslau de Moraes, em Tokushima, pouco depois da sua morte. Fotografias publicadas no magazine Civilização, número 19, de Janeiro de 1930.

 

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 15:37
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 6 de Agosto de 2007

Macau, 1936 (XIII)

 

   Abraçava Boubouka de olhos fechados. Contudo, via-a. Mas parecia-lhe outra. Morena, sim, mas de olhos amendoados. Uns olhos que lhe davam um olhar ainda mais doce. Um olhar rasgado, misterioso, oriental. Aparecia agora à distância. Trazia consigo uma bilha e sorria, como Boubouka sempre sorrira. Mas esta era uma outra Boubouka, adolescente, quase criança. Caminhava para ele, ondulando as vestes beduínas. Caminhava lentamente, abrindo os braços, carinhosamente. Aproximava-se deixando ver  os lábios carnudos, prontos a beijar. Um beijo dado à distância... O beijo voava. Voava para ele. Transformava-se em palavras. Palavras pequenas, silenciosas. Que cresciam, atroando o ar, atordoando-o. "Quem és tu?... Quem és tu?..." As palavras envolviam-no. Estava rodeado de espessa neblina.

   "Não sei, não sei... Não  me perguntes!" Ouvia-se a si próprio. Gritava.

   A neblina ganhava contornos dourados. E pétalas. Dezasseis pétalas. Parecia um crisântemo. Um crisântemo cheirando a saké. As pétalas desdobravam-se. Eram agora trinta e duas e começavam a girar. Uma pequena sombrinha de seda e finas varas de bambú, girando, girando. Viu-se no sopé do monte Fuji, admirando as cerejeiras em flor. As pétalas, de um rosa quase branco, caíam. Eram flocos de neve. Uma neve seca, leve. Estava frio, mas tinha sede. Juntou as mãos para derreter a neve, tentando sorvê-la entre os dedos, unidos em concha.

   Levantando o rosto, para beber, viu que a sombra provinha das folhas de uma tamareira. Estava no deserto. Ao longe, caminhando lentamente, alguém trazia uma bilha. Água, concerteza. Era Boubouka, de novo, sorridente. Entreabriu os lábios para receber a dádiva. Ansiava pela frescura daquela água.  Não poderia resistir muito mais. Estendeu os braços, as mãos, os lábios. Recebeu um beijo. E deslizou na escuridão, deixando-se envolver pela noite.

 

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 23:38
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Terça-feira, 31 de Julho de 2007

Bibliografia sobre Wenceslau de Moraes

 

  

 

   A bibliografia sobre Wenceslau de Moraes não tem aumentado significativamente nas últimas décadas, embora se tenham efectuado algumas reedições da sua obra. De entre estas reedições, são de particular interesse as realizadas na década de 1970, devido às introduções e notas de Armando Martins Janeira (1914-1988).

   Entusiasta da obra do autor, Martins Janeira escreveu Japanese and Western Literature (Tuttle, 1970)  e O Jardim do Encanto Perdido (1956), obra que foi traduzida para Japonês (Yoake no Shirabe, Tokyo, 1969; Minako Nonoyama, tradutor) e apresenta aquela que ainda hoje é considerada  a mais completa biografia de Wenceslau de Moraes.

 

   

 

   Na década de 1930 apareceram duas importantes biografias de Wenceslau  - O Exilado de Tokushima, texto inserido no volume Visões da China (1933), de Jaime do Inso (1880-1967), e Os Amores de Wenceslau de Morais (1937), por Ângelo Pereira (1886-1975) e Oldemiro César (1884-1953). Estes volumes apresentam, ainda, correspondência de Wenceslau de Moraes.

   Entre outras obras, a epistolografia do autor está ainda reunida em Cartas Íntimas (1944), publicadas por Ângelo Pereira e Oldemiro César, Cartas do Japão (1.ª série, 1977), publicadas por Martins Janeira, e Do Kansai a Shikoku (1988), compilação da correspondência enviada a Carlos e Maria Joaquina Campos, publicada por Jorge Dias (1907-1973).

   A biografia publicada neste blog ao longo das últimas semanas baseou-se essencialmente nos dois volumes da década de 1930 e na compilação de Jorge Dias, que serviram também de fonte iconográfica para as imagens reproduzidas.

 

   

 

© Blog da Rua Nove  

publicado por blogdaruanove às 17:43
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. Do Himalaia a Tóquio

. Reflexos

. Autógrafos - César dos Sa...

. Hirosuke Watanuki

. Macau, 1936 (XVI)

. Message

. ... Wenceslau de Moraes, ...

. Ah! Wenceslau de Moraes.....

. Macau, 1936 (XIII)

. Bibliografia sobre Wences...

.arquivos

. Fevereiro 2012

. Fevereiro 2011

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Junho 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.Visitas

blogs SAPO

.subscrever feeds