Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2008

Aspectos do Vidro em Portugal no Século XX

 

Taça, pintada a esmalte e assinada "Vera" (provavelmente o nome da decoradora vidreira), produzida na Marinha Grande. Década de 1940.

 

 

 

 

   Seguindo de perto as técnicas de decoração preponderantes nas fábricas da Boémia, que posteriormente à I Grande Guerra passaram a integrar maioritariamente o território correspondente à Checoslováquia, as fábricas portuguesas adoptaram uma enorme variedade de esmaltes coloridos na decoração das suas peças a partir da década de 1940.

   Surgiram então, de acordo com a policromática e exuberante gramática decorativa Art Déco, inúmeras peças apresentando predominantemente o laranja e o amarelo, cores que eram conjugadas com inúmeras e inovadoras tonalidades de verde e azul.

 

 

Copo para criança, pintado a esmalte, produzido na Marinha Grande. Assinado "cip" (Companhia Industrial Portuguesa). Década de 1940.

 

 

 

   Acompanhando uma tendência para a reprodução e recriação de motivos portugueses, que já vinha sendo desenvolvida por Stuart Carvalhais (1887-1961) e Jorge Barradas (1894-1971) desde o final da década de 1910 e início da década de 1920 (como se pode constatar, por exemplo, em muitas das capas produzidas pelos mesmos para a revista ABC), e um reforço dessa tendência através da obra gráfica de Raquel Roque Gameiro (1889-1970) e Laura Costa (activa em 1920-1950), entre muitos outros artistas, a decoração do vidro pintado a esmalte produzido na Marinha Grande durante as décadas de 1940 e 1950 reflectiu precisamente essas temáticas, evocando tradições regionais e nacionais através de aspectos do artesano e do folclore de Portugal.

   Obviamente, a esta tendência não terá sido também alheia, directa ou indirectamente, a acção de um organismo oficial do Estado Novo, o Secretariado da Propaganda Nacional, criado em 1933.

    As fábricas que maioritariamente promoviam esta decoração na Marinha Grande, a Nova Fábrica de Vidros e a Companhia Industrial Portuguesa, não foram contudo insensíveis à procura do mercado e às tendências estrangeiras produzindo também desenhos que evocavam êxitos internacionais, como aqueles que eram protagonizados pelas personagens criadas por  Walt Disney (1901-1966).

 

 

Conjunto de copos para criança, fabricados na Marinha Grande, reproduzindo personagens criadas por Walt Disney. Década de 1940.

 

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 17:41
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 2 de Agosto de 2007

Portenglish Culture in California

 

   The Portuguese presence in California is documented since the 16th century, when João Rodrigues Cabrilho (c.1496-1543) reached what is known today as San Diego bay. Later, there were are also some peculiar characters linked to  the Gold Rush, but the main settlement of Portuguese emigrants occurred during the 20th century, when thousands started working in shipyards and, most of them, in California farms.

   Portenglish, a pidgin mixing Portuguese and English languages, is still common today in large communities of Portuguese background in North America, particularly in the states of California, New Jersey and Massachussets, in the U.S.A., and some provinces of Canada.

   This crate label provides an example of what may have been an earlier documented text integrating Portenglish - limoneira may very well be an obvious corruption of lemonade.

   Many examples of Portenglish abound in morphology, either regarding nouns, adjectives or verbs, and syntax. One of the most peculiar examples of Portenglish  is related to the gender of the US and Canada currency – in Portuguese, the dollar is masculine (o, um dólar), while in Portenglish it becomes feminine ("a, uma dolla"). This may be owed to the indefinite article  "a" in English (a dollar), which may have influenced the ocurrence of such use in Portenglish. (The definite articles in Portuguese are "o,a (singular); os,as (plural)".) 

 

DVD cover for Bananas Is My Bussiness (1995), a documentary on Carmen Miranda directed by Helena Solberg (dates unknown).

 

   Curiously enough, one of the main Portuguese mid-century movie celebrities is scarcely identified as Portuguese, either in California or the U.S. In fact, the Portuguese-born actress Carmen Miranda (1909-1955) embodies the Hollywood image of exotic Brazil in the 1940s and 1950s. Such exotic treatment of Latin-American characters influenced even Walt Disney Productions, which released The Three Caballeros in 1944. This movie introduced Joe Carioca, a character that prevailed in Brazilian comics for decades as José (Zé) Carioca.

   Notice how the crate label design evokes the flag of Brazil.

   For one of the latest pastiches of Carmen Miranda's famous performances, check http://www.pedrassalgadas.pt/.

 

© Blog da Rua Nove

  

publicado por blogdaruanove às 23:57
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. Aspectos do Vidro em Port...

. Portenglish Culture in Ca...

.arquivos

. Fevereiro 2012

. Fevereiro 2011

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Junho 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.Visitas

blogs SAPO

.subscrever feeds