Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog da Rua Nove

Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
27
Set07

Cromos dos Anos 60 - Mercedes Benz

blogdaruanove

 

Mercedes Benz 300 SE b

Cilindrada: 2996 c. c.

Consumo: 12 l/ 100 km

Taxa de compressão: 8,8

Potência: 170 Cv. DIN

Velocidade máxima: 190 km/h

Travões: disco às 4 rodas

Motor: 6 cilindros em linha

Tracção: traseira

País: Alemanha Ocidental

 

Quatro velocidades sincronizadas.

 

© Blog da Rua Nove

 

27
Set07

Salalé

blogdaruanove

Photo © d.kumar (http://www.flickr.com/photos/dkumar/)

 

   O silêncio mate e vertical do salalé crescia no solo avermelhado. Milhares de térmitas construíam novas e assombrosas torres de Babel, alheias ao intermináveis sons da savana. Uma ordem incontestável e invisível coordenava a brancura leitosa e vulgar daquelas incontáveis patas e daqueles inseparáveis corpos. Nada parava aquele movimento contínuo.

   De repente, uma folha vogou na brisa morna do fim da tarde, girando e rodopiando. Trazendo uma nota de um loiro acastanhado ao horizonte terroso, pousou no cimo do salalé. Juntaram-se-lhe quase de imediato longas asas incrivelmente flexíveis, de uma transparência quase irreal, que desapareceram sob o refulgir assombroso e azul-esverdeado de pequenos élitros. Dourados, castanhos, azuis e verdes, durante um instante eterno num equilíbrio impossível, deslizaram então até ao solo, criando um relâmpago irisado, uma passagem para um outro mundo. Um mundo imaterial, multicolorido e caótico.

   Impassíveis, as térmitas continuaram a construir a sua preciosa torre de Babel. Uma torre de silêncio eterno. Uma torre construída a partir do subsolo. Uma torre subterrânea. Uma torre sem lugar para o sonho, crescendo em direcção ao nada.

  

© Blog da Rua Nove

27
Set07

Manuel Ribeiro de Pavia

blogdaruanove

 

Ilustração para a capa de Porto Manso (2.ª edição, 1946), de Alves Redol (1911-1969).

 

   "A Morte jantou connosco. (Título

     de filme barato).

 

   O pintor Manuel Ribeiro de Pavia veio hoje jantar connosco. Um belo gaspacho à alentejana, preparado pela perícia de Rosalia.

   Em raras ocasiões o tenho visto tão exuberante, em delírio quase, como se só naquele instante tomasse consciência de quaquer libertação essencial.

   Falou pelos cotovelos, depois de engolir as costumadas vitaminas de que recheia sempre por prudência as algibeiras. "Para acumular reservas..." – explica. (Amostras grátis. Ofertas de médicos amigos.)

   – Sim senhor. Que admirável gaspacho!

   E ia levando a colher à boca com unção de satisfazer um gosto antigo preso à língua da infância.

   Em todo o caso não aderia com aplausos completos. A receita de gaspacho dele, Pavia, parecia-lhe melhor, muito melhor. Continha vários ingredientes gostosos, como lagartos, caracóis e pedaços de cobra. Além do que a fantasia pudesse arremessar lá para dentro!

   – Até botões de colarinho, não, Pavia? – exagerei.

   Mas ele, a rir muito, insistia com pertinácia no seu mirabolante gaspacho da meninice, com cobras.

   Reparei então, mais uma vez, nas mãos que despiram as aldeãs nas Líricas – e tanto impressionaram a  Maria Keil –, peludas, esguias, unhas longas... Mãos de bicho – onde não espanta que durmam estranhas forças secretas da natureza à espera do próximo princípio do mundo verdadeiro para nos maravilharem com criações instintivas.

   Por fim, à hora do café e do conhaque, o Pavia voltou a glosar, com convicção de seriedade maliciosa que toma nessas noites de convívio ardente, o plano monumental com que me molesta há meses. Nem mais nem menos do que a organização de um Comício Poético no Coliseu dedicado à minha poesia, com a sonhada colaboração de Maria Barroso e João Villaret.

   E eu, trémulo, a conspirar contra a ideia (Ah, comício nunca! nunca!):

   – Ó Pavia: um Comício Poético?... Mas como? Não teme que isso me cubra de ridículo?

   – Qual! Verá! Verá!

   (Não vi.)"

 

in José Gomes Ferreira (1900-1985), Imitação dos Dias (1966; 3.ª edição, 1977).

 

© Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D