Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog da Rua Nove

Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
16
Mai07

Autógrafos - Guedes de Amorim

blogdaruanove

Guedes de Amorim (1901-1979), Casa de Judas (1953)

Capa de Manuel Ribeiro de Pavia (1907-1957)

 

 

Guedes de Amorim (1901-1979)

   Jornalista e autor duriense, cujo romance Aldeia das Águias (1939) foi galardoado com o prémio Ricardo Malheiros, Guedes de Amorim retrata essencialmente a realidade rural do sul do distrito de Vila Real, embora o conto Comboio de Vila Real, incluído em A Máscara e o Destino (1951) relate também o trajecto que, através da extinta linha do Corgo, se fazia da Régua e de Vila Real para as estâncias termais dos concelhos de Vila Pouca de Aguiar e de Chaves. O percurso ficcional do escritor, inicialmente agnóstico, liberal, e ligado ao Neo-Realismo, acabou por atingir uma atitude de profunda convicção religiosa, que motivou a produção de obras centradas na temática cristã. Assim surgiu a obra Jesus Passou por Aqui (1963), distinguida com o prémio Cervantes do Pen Club do Brasil. Guedes de Amorim havia recebido o hábito franciscano em 1960.

   De A Casa de Judas, extenso romance de Guedes de Amorim cujo tempo ficcional se desenvolve ao longo de quase duas décadas, perpassando entre as memórias do regicídio, a agitação da Monarquia do Norte e o fim da I República, transcrevem-se dois pequenos fragmentos:

   "Voltou a suspirar. Em sua opinião, o Porto era a cidade mais bonita do mundo. Não podia esquecer o mercado do Anjo, onde ia todas as manhãs comprar o que necessitava, e as noites de S. João, nas Fontainhas. Fora, num desses arraiais, que conhecera o Samuel. Pôs-se então a elogiar o falecido. Sabia do ofício de ferreiro, como poucos. Havia trabalhado na construção das pontes de D. Maria e de D. Luís, e os engenheiros, tanto os estrangeiros como os portugueses, apreciavam-no muito.

   – Mas, Lisboa é mais bonita, não é?

   – Qual o quê! Aquilo é cidade de gente ruim. Não ouviu falar no que eles fizeram, há pouco, ao rei e ao príncipe? Gente sem coração, digo-lho eu.

   – Tem razão, sr.ª Joana – apoiou a Soledade.

   Recordava a manhã em que o patrão ali tinha aparecido, transtornado, com a triste novidade: – Mataram D. Carlos e o príncipe herdeiro! – Colérico, falara em pedreiros-livres, bandidos das alfurjas, e no sangue que o horroroso crime não tardaria a fazer correr. Durante dias, andara à volta do mesmo assunto, pedindo a forca para os republicanos. Parecia ter endoidecido. Ainda se apresentava de luto pelos augustos assassinados."

   (...)

   "– Agora Bragança há-de atender-nos melhor – esclareceu Santos Mendes, que vinha dos Correios. – Em Lisboa, o ministro da Guerra nomeou, finalmente, o coronel Ribeiro de Carvalho para comandante da divisão.

   – Quando o soube?

   – Há pouco. Recebeu-se um telegrama...

   Alberto Donato torceu o nariz: "Não seria outra habilidade do Tamagnini?"

   – E sabem quem telegrafou, também? O Granjo!

   – De Lisboa? – interrogou o advogado.

   – Não, senhor. De Chaves. Está ao lado de Nicolau Mesquita e de Ribeiro de Carvalho, como não podia deixar de suceder. Prometeu vir auxiliar-nos, se nos atacarem de novo.

   A mocidade de Eugénio Vilares explodiu:

   – Viva a República!"

 

© Blog da Rua Nove

 

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D