Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blog da Rua Nove

Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
02
Jan08

Aspectos do Vidro em Portugal no Século XX

blogdaruanove

 

Taça, pintada a esmalte e assinada "Vera" (provavelmente o nome da decoradora vidreira), produzida na Marinha Grande. Década de 1940.

 

 

 

 

   Seguindo de perto as técnicas de decoração preponderantes nas fábricas da Boémia, que posteriormente à I Grande Guerra passaram a integrar maioritariamente o território correspondente à Checoslováquia, as fábricas portuguesas adoptaram uma enorme variedade de esmaltes coloridos na decoração das suas peças a partir da década de 1940.

   Surgiram então, de acordo com a policromática e exuberante gramática decorativa Art Déco, inúmeras peças apresentando predominantemente o laranja e o amarelo, cores que eram conjugadas com inúmeras e inovadoras tonalidades de verde e azul.

 

 

Copo para criança, pintado a esmalte, produzido na Marinha Grande. Assinado "cip" (Companhia Industrial Portuguesa). Década de 1940.

 

 

 

   Acompanhando uma tendência para a reprodução e recriação de motivos portugueses, que já vinha sendo desenvolvida por Stuart Carvalhais (1887-1961) e Jorge Barradas (1894-1971) desde o final da década de 1910 e início da década de 1920 (como se pode constatar, por exemplo, em muitas das capas produzidas pelos mesmos para a revista ABC), e um reforço dessa tendência através da obra gráfica de Raquel Roque Gameiro (1889-1970) e Laura Costa (activa em 1920-1950), entre muitos outros artistas, a decoração do vidro pintado a esmalte produzido na Marinha Grande durante as décadas de 1940 e 1950 reflectiu precisamente essas temáticas, evocando tradições regionais e nacionais através de aspectos do artesano e do folclore de Portugal.

   Obviamente, a esta tendência não terá sido também alheia, directa ou indirectamente, a acção de um organismo oficial do Estado Novo, o Secretariado da Propaganda Nacional, criado em 1933.

    As fábricas que maioritariamente promoviam esta decoração na Marinha Grande, a Nova Fábrica de Vidros e a Companhia Industrial Portuguesa, não foram contudo insensíveis à procura do mercado e às tendências estrangeiras produzindo também desenhos que evocavam êxitos internacionais, como aqueles que eram protagonizados pelas personagens criadas por  Walt Disney (1901-1966).

 

 

Conjunto de copos para criança, fabricados na Marinha Grande, reproduzindo personagens criadas por Walt Disney. Década de 1940.

 

 

© Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D