Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog da Rua Nove

Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
27
Abr07

Velhos Tempos (III)

blogdaruanove

Photo © maximillian millipede

 

   Era vê-lo naqueles movimentos vagarosos, mais calmos e cuidadosos que os de gado a pastar no prado, e cismar nas ideias que o homem teria. Coisas esquisitas, concerteza, mas que calava, cioso de estranhos, e escondia com os resmungos e perseguições que nos fazia, quando lhe aparecíamos pela frente para tentar chamar a atenção e descobrir as histórias estranhas que guardava.

   Todos os nossos encontros continuaram neste jogo de escondidas, até que um dia, após uma chuvada que assentou raízes às sementeiras, o Ti Manel desapareceu, deixando as terras de poulo e a porta do casebre escancarada, como se fizesse um convite à descoberta de toda aquela vida passada a sós. O povo não se preocupou muito com o seu desaparecimento e nós, catraios que já não éramos, descobrimos um certo sentido naquele isolamento e abandono a que o velho se deitara, pois deixáramos de ter tempo para a nossa vida de zaragatas e folguedos desde que os outros homens lá da aldeia nos começaram a dar lugar entre eles, e a separar-nos, com aquela vida de interesses e necessidades em comum... Foi como se um cisco nos tivesse entrado para a vista e nos obrigasse a esfregar os olhos para podermos ver. Mas a cada esfregadela, mais nos doíam os olhos e menos víamos... Até nos perdermos um do outro. E hoje, inesperado como o vento, aqui estava ele de novo!

   – Ora se lembro, homem! Venha daí um abraço...

 

© Blog da Rua Nove

     

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D