Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blog da Rua Nove

Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
21
Mai07

A Tale of Two Palaces

blogdaruanove

O Palácio da Pena visto do Palácio da Regaleira, em Sintra

 

   O oriente era o centro daquele mundo. Um centro ctónico e vertical que perfurava as rochas, que percorria as grutas, que irrompia das profundidades. Congregava as águas e a terra. O que estava em cima era igual ao que estava em baixo. Os pedreiros estavam cansados, pensando que a tarefa nunca teria fim. No entanto, continuavam. "Truca, truca." O palácio crescia defronte de outro palácio. Pareciam diferentes, mas o que estava em baixo era igual ao que estava em cima. "Truca, truca, truca, truca." A água corria por entre árvores, arbustos e flores. As plantas abraçavam as esculturas dos jardins. As paredes iam crescendo. "Truca, truca." O monte parecia imenso, imutável, eterno. Mesmo quando o sol cedia perante a lua. Dia após dia, noite após noite. A tarefa parecia também eterna. Os pedreiros não paravam e o seu amor pela pedra parecia não ter fim. "Truca, truca, truca, truca." Uma poeira fina soltava-se da pedra, flutuando no ar. Um súbito raio de sol fez a poeira rebrilhar. Os pedreiros pararam, extasiados. A eternidade tranformou-se num momento. E assegura Luís Vaz que, naquele momento, o amador se transformou na coisa amada.

 

© Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D