Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog da Rua Nove

Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
21
Fev07

Autógrafos - Maria Ondina Braga

blogdaruanove

 

Maria Ondina Braga, Nocturno em Macau (1991).

 

 

Maria Ondina Braga (1932-2003).

   Com longas estadias no Oriente, Maria Ondina Braga dá seguimento a uma tradição do imaginário asiático na literatura portuguesa do início do século XX, exemplificada por autores como Wenceslau de Moraes (1854-1929), o qual, depois de ter vivido alguns anos em Macau, se radicou inicialmente em Kobe e posteriormente em Tokushima, no Japão, e Camilo Pessanha (1867-1926), que viveu durante muitos anos em Macau.

 

   Habitualmente conotada com espaços de acção orientais, a sua obra começou com um livro de crónicas, Eu Vim Para Ver a Terra (1965), sendo Estátua de Sal (1969) e Nocturno em Macau dois dos seus títulos mais conhecidos. Foi, no entanto, com o livro de contos Amor e Morte (1970) que recebeu o prémio Ricardo Malheiros da Academia das Ciências de Lisboa. As suas crónicas sobre Angola em Eu Vim para Ver a Terra são pedaços magníficos de prosa ritmada, leve, deslumbrada e cheia de alegria. Contrastando no mesmo volume, curiosamente, com as imagens sombrias e repassadas de desânimo das primeiras crónicas sobre Macau. Cidade que, paradoxalmente, parece ter causado na autora um impacto inicial pouco entusiasmante. A narrativa desenvolta e cativante de Estátua de Sal retrata-nos de forma sincopadamente fascinante  a experiência da autora em Inglaterra e Macau, entretecida com as suas memórias da infância e adolescência em Braga, sua terra natal.

 

   De Nocturno em Macau, uma obra publicada nos anos  noventa mas que reflecte uma vivência dos anos sessenta (de acordo com a narradora, a acção passa-se no ano do Cavalo, do calendário chinês, ano correspondente a 1966) transcreve-se abaixo um dos parágrafos iniciais:

 

   "Veio Ester a desencantá-la a um canto do claustro mergulhada na releitura da carta. Andava à sua procura, já sei que teve notícias. E, sem mais nem menos, um par de braços a cingi-la, uma cabeça pousando-lhe no ombro. Por instantes supôs, Ester, que a amiga chorava, mas não, antes ria. Se fôssemos amanhã lanchar fora? Que diz? Pois então! Faz anos amanhã? Não, é que ainda não conhecia os restaurantes chineses. Um cochicho a sua voz. Aquele corpo colado ao dela e convulso. Desapertando a blusa, guardava a carta no seio, distraída, metade do seio à mostra. Ao saírem, contudo, para a luz directa do jardim, como se despertasse, Dhora: Por favor não fale nisto a ninguém. Terra de mexericos, Macau, a sua senhoria a toda a hora xe-xe-xe. E uma carta sempre era uma carta, um compromisso. Ester sossegou-a: Sou um túmulo. Mas... e a irmã Trinidad? Ah, essa já falara com ela, já lhe prometera segredo. Enfiava-lhe o braço: Onde vamos? Ao Lago-de-Jade, por exemplo, tem muito bom chá. Combinado o encontro à porta do Correio Geral, a goesa apertou os lábios com as pontas dos dedos, o sobrolho arqueado. Ester a pensar no segredo de polichinelo da da portaria. Como se estivesse a ouvi-la. Ah, pobrecita de la maestra indiana!... Meses a fio à espera da carta, la maestra. Não era bem freira, Trinidad, apenas irmã conversa e por acaso grande conversadeira. Ao receber a carta até a beijara, la maestra! Gabando-se, a porteira, de haver contribuído para o milagre as suas rezas, os seus rogos, o responso que tinha rezado a Santo Expedito."

 

 

© Blog da Rua Nove

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D