Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blog da Rua Nove

Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
27
Jun07

Autógrafos - João Alves da Costa

blogdaruanove

 

João Alves da Costa (n. 1948), Sadomasoquismo, S. F. F. (1985)

 

 

João Alves da Costa (n.1948)

   João Alves da Costa celebrizou-se enquanto autor de textos que ele próprio classificou como "novo jornalismo ou literatura de não ficção", tais como Droga e Prostituição em Lisboa (1977), Bruxas à Portuguesa (1984) e este Sadomasoquismo, S.F.F. Inicialmente jornalista do extinto Diário Popular, produziu os dois últimos livros quando já era jornalista desportivo de A Bola. Entretanto, havia já publicado um outro texto dentro da mesma corrente, América em Carne Viva (1974), onde relata a sua experiência nos E.U.A., e uma obra de ficção menos conhecida, As Diabruras do Menino Hamlet (1975), classificada pelo autor como "novela fragmentária".

   De Masoquismo, S.F.F., transcrevem-se dois parágrafos:

   "Não se riam à frente dele. O Perdiz no seu tempo de Lisboa manteve uma ocupação num escritório de contabilidade. Guardava o Plano Oficial de Contas na gaveta da secretária como um... fardo de palha (a imagem era dos colegas maldosos). Passou lá dois meses a prazo, a um ritmo fraco de laboração, os fornos exteriores da empresa ribatejana que o admitiu espalhavam o ingrediente a sete ventos numa fumarada nauseabunda que vestia as árvores de prata escura. Causava tosse e bronquite no aquecimento de um líquido caldoso que mais lembrava creme pastoso de cogumelos. O Perdiz indagava: para que serviria o produto, eles chamavam-lhe essência... O Perdiz deu voltas sobre voltas. Seria detergente para secagem instantânea de roupa de cor? Seria chumbo para armamento de guerra destinado a Braço de Prata e dali para a guerrilha na América do Sul? Ou não, apenas cera para dar brilho à corticite, cera cheirosa que dava um ar de incenso e outro de tungsténio? Claro que havia quem, ao ouvido, falasse na hipotética recuperação do volfrâmio para vender aos alemães em caso de terceira Guerra Mundial?

   O Perdiz contava pelos dedos as existências em armazém, pastosamente conferia as ausências de funcionários em véspera de folgas ou "pontes" prolongadas, ele estava atento a quem fracturava três vezes o mesmo pé durante os feriados de Junho, aconteceram lesões súbitas, inacreditáveis, mas todas elas comprovadas pelo papel selado: desde as mordeduras de peixe-aranha (em Moura, no Alentejo!), aos picos de urzes nos Santos Populares (na Baixa lisboeta!), até casos de gangrena (numa casa de sumos, em Cascais), o ficheiro das unhas encravadas (na praia do Alvor), da febre de Malta (na marina de Vilamoura), das dores de menstruação (até em homens, pois claro!) à amputação do membro vital (no túnel de Santa Apolónia). Mais tarde, devidamente cobertos pelo seguro, reabilitar-se-iam, mas nunca antes do Magusto e a verdade é que em ocasiões especiais (Páscoa na Serra Nevada) entraram pedidos de dispensa para deslocações a Marrocos, onde chefes de repartição alegaram ir mudar de sexo. E, inclusive, no México, uma chusma de dactilógrafas obteve um divórcio colectivo. Tudo casos de força maior. E no cabelo nunca pululou tanto a sarna, nas zonas pilosas delicadas era o reino das escábeas, nos dentes surgiu o escorbuto, nos órgãos genitais o herpes esteve no "top-ten" das dispensas."

 

© Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D