Terça-feira, 5 de Fevereiro de 2008

Capas & Companhia

Archibald M. Low (1888-1956), Perdidos na Estratosfera (Adrift in the Stratosphere, 1937; presente tradução portuguesa, 1954), volume número 1 da colecção Argonauta. Capa de Cândido Costa Pinto (1911-1976).

  

   O Blog da Rua Nove celebra hoje um ano. Com mais de 116.000 visitas, de 116 países e regiões. Sem terminar, termina hoje, aqui.

   Dispersar-se-á, ao longo do próximo ano, pelos blogs Capas & Companhia (http://capasecompanhia.blogs.sapo.pt/) , que se inicia hoje mesmo com a reprodução diária de capas de livros de ficção científica, policiais e revistas de banda desenhada; Ilusões Urbanas (http://ilusoesurbanas.blogs.sapo.pt/), que se iniciará a partir de 1 de Abril e apresentará essencialmente fotografias e, de quando em vez, pequenos textos, sem periodicidade fixa; e também pelo blog Chaves I (http://chaves.blogs.sapo.pt/), que apresentará mensalmente, a uma sexta-feira, crónicas ou ficções.

  

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 02:00
link do post | comentar | favorito

Homenagem a Ema Berta

 

Ema Berta (n. 1944), Sem Título (2002), óleo sobre tela.

 

© Blog da Rua Nove

tags:
publicado por blogdaruanove às 01:55
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Homenagem a SAM

A Torneira (1987)

 

   Homenagem a SAM (Samuel Torres de Carvalho, 1924-1993), recordando o seu monumento ao poder efémero, uma cadeira que foi erigida em frente ao IST, Lisboa, e se encontra desaparecida há alguns anos, por razões óbvias (ou talvez não...).

 

© Blog da Rua Nove

tags: , ,
publicado por blogdaruanove às 01:50
link do post | comentar | favorito

Do Himalaia a Tóquio

 

   A novela Macau (cuja narrativa se desenrolará até 1940), sendo embora uma obra de ficção, inspira-se em registos de viagens efectuadas na segunda metade da década de 1930 pelo avô do autor e em muito do espólio oriental que se encontra na posse da família.

 

    

 

   Os livros cujas capas se reproduzem constituíram também uma inestimável fonte de informação sobre a época – Os Portugueses na China (1938), de Salvador Saboya (datas desconhecidas); China, País da Angústia: Kakemonos (1938), de Ruy Sant'elmo (pseudónimo, datas desconhecidas); Do Himalaia a Tóquio: Problemas do Extremo Oriente (1941), de Rodolfo Walter (datas desconhecidas),  e China de Ontem, China de Sempre (1948; embora publicado apenas neste ano, reflecte a vivência do autor na China durante a década de 1920), de L. Esteves Fernandes (datas desconhecidas), bem como o livro Visões da China (1933) de Jaime do Inso (1880-1967), cuja capa já foi reproduzida (http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/117595.html).

   Como é óbvio, foi ainda fonte de inspiração para algum do imaginário da novela toda a obra de Wenceslau de Moraes (1854-1929), principalmente aquela que reflecte a sua experiência na China e em Macau.

 

(A novela continua em http://ilusoesurbanas.blogs.sapo.pt/9136.html)

 

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 01:45
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Denert et Balichon

Fotografia © Alexandre Hoffman

 

   Embora ainda relativamente desconhecida e arredada das grandes colecções e dos grandes museus internacionais, a produção da fábrica de grés Denbac é certamente uma das mais representativas dos estilos Art Nouveau e Art Déco.

   Em 1909, o ceramista René Denert (1872-1937) estabeleceu em Vierzon (localidade geminada com Barcelos: http://www.cm-barcelos.pt/), França, uma fábrica com o seu nome. No ano seguinte, após a chegada do gestor comercial René Louis Balichon (1885-1945), a sociedade assumiu o nome Denert et Balichon, designação que veio a ser popularmente alterada para Denbac cerca de 1914. A exemplo do que aconteceu com várias fábricas europeias, a empresa foi seriamente afectada pelos dois grandes conflitos mundiais do século, embora mais particularmente pela II Grande Guerra, acabando por encerrar definitivamente em 1952.

   As peças Denbac caracterizam-se por um  grande sentido escultórico e uma notável harmonia, seja na gramática Art Nouveau seja na Art Déco, qualidades complementadas com camadas policromáticas, mates ou brilhantes, de microcristais escorridos.

    Consulte o importante trabalho de investigação, divulgação e catalogação das peças e documentação da empresa que Alexandre Hoffman está a desenvolver em http://www.denbac.fr/.

 

Fotografia © Alexandre Hoffman

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 01:40
link do post | comentar | favorito

A Volta ao Mundo em 60 Dias - Índia

 

UM ASPECTO DO MOVIMENTO DO MERCADO MUNICIPAL DE MARGÃO (MARGÃO GÔA) / MARKET MUNICIPAL (MARGÃO GÔA)

Bilhete postal emitido na década de 1930.

Edição de Souza & Paul Fotografos, Nova-Gôa [sic].

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 01:35
link do post | comentar | favorito

Homenagem a Branquinho da Fonseca

 

Branquinho da Fonseca (1905-1974), Bandeira Preta (1956; presente edição, cerca de 1962). Capa de Guilherme Castilho (1912-1987?).

 

   Branquinho da Fonseca é certamente um autor reconhecido principalmente pela sua novela O Barão, cuja acção decorre em Barroso. O seu livro Bandeira Preta, contudo, constitui-se como um conjunto de deliciosas narrativas que evocam os mundos da infância e da adolescência no final da década de 1910, na Beira Alta. É, sobretudo, uma viagem maravilhosa por léguas que não vêm em mais nenhum mapa, a não ser o do narrador e das personagens:

 

   "Pouco tempo depois dobravam a lomba da serra, que traçava a fronteira dos concelhos. Já ao longe se avistavam outras campinas verdes e pontos de casario branco. Mas a distância enganava. A serrania fazia pregas e repregas, que estendidas em passo de gente dão léguas que não vêm no mapa."

 

António Madeira (pseudónimo de Branquinho da Fonseca), O Barão (1942). Capa de Fred Kradolfer (1903-1968).

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 01:30
link do post | comentar | favorito

Reflexos - Piló

 

 

 

   Ilustrações de Manuel Piló (Pilo da Silva, 1905-1988), reproduzidas em porcelana pela Vista Alegre, no ano de 2006. Para imagens de maior dimensão dos bilhetes postais que apresentavam a ilustração original ver http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/247721.html e http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/247827.html.

 

 

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 01:25
link do post | comentar | favorito

Postais Antigos de Portugal - Vila do Conde

 

VILLA DO CONDE – Ponte e vista parcial

Bilhete postal circulado de Vila do Conde, Portugal, para Chartres, França, em Setembro de 1912.

Emissão de editor não identificado.

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 01:20
link do post | comentar | favorito

Homenagem a João Abel Manta

Ilustrações para Dinossauro Excelentíssimo (2.ª edição, 1972), de José Cardoso Pires (1925-1998).

 

Homenagem ao ilustrador e pintor João Abel Manta, no ano em que celebrou o seu 80º aniversário.

 

 

© Blog da Rua Nove

publicado por blogdaruanove às 01:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

.posts recentes

. Old Chap

. Le Sacré du Printemps

. Word of Mouth

. Still Skating Around...

. Volare...

. Ouranos

. Staccato

. E Va...

. E La Nave Va...

. The End

.arquivos

. Fevereiro 2012

. Fevereiro 2011

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Junho 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds