Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog da Rua Nove

Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
30
Abr07

Braga e os Cimélios de Braun & Hogenberg

blogdaruanove

noua BRACARAE AUGUSTE descriptio, Braun & Hogenberg, c. 1594

 

   Georg Braun (1541-1622), editor, e Frans Hogenberg (1535-1590), gravador, são os autores de uma das mais famosas e importantes obras impressas do século XVI – a Civitates Orbis Terrarum, publicada em seis volumes entre 1572 e 1618.

   Os cimélios publicados por estes alemães reproduzem dezenas de planos actualizados de várias cidades, cujas matrizes foram posteriormente adquiridas por Jan Jansson (1588-1664), que as utilizou em várias reimpressões. São amplamente conhecidas em Portugal as gravuras referentes a Coimbra e Lisboa, encontrando-se no entanto a imagem de  Braga menos divulgada.

   Esta gravura, legendada em Latim e inscrita com a data de 1594, apresenta  o brasão da cidade, com a sé catedral, e o brasão com seis besantes do arcebispo de Braga, D. Frei Agostinho de Jesus (arcebispo, 1588-1609), nascido Pedro de Castro.

   Um outro aspecto que nos permite confirmar a datação é a ausência do edifício do Convento do Pópulo, na parte superior central do mapa, que apenas começou a ser construído em 1596, por doação e iniciativa do arcebispo de Braga. Após o seu falecimento em Novembro de 1609, D. Frei Agostinho de Jesus foi sepultado na igreja velha do Pópulo.

   Como curiosidade, refira-se a legenda colocada junto do bosque representado a sul do Rio Este – "célebre pela abundância de coelhos e perdizes." 

 

Detalhe de um mapa esquemático da actual cidade de Braga, apresentando o Convento do Pópulo no canto superior esquerdo da imagem

 

© Blog da Rua Nove

 

02
Abr07

Gravuras, Incunábulos e Cimélios.

blogdaruanove

Riga (actualmente capital da Letónia) no século XVI.

Sebastian Münster (1489-1552), Cosmographia Universalis

(1544; edição reproduzida, c. 1553).

 

   Com o advento da imprensa de caracteres móveis, em meados do século XV, as iluminuras medievais, ricamente adornadas e coloridas à mão, cederam perante o aspecto monocromático (tinta preta, sobre o branco do papel) da xilogravura. Os incunábulos, obras impressas no século XV, começaram por reproduzir obras de carácter religioso, como a pioneira Bíblia (Mainz, 1450-55) de 42 linhas de Johannes Gutenberg (c.1390?- 1468) e, em Portugal, o Pentateuco (Faro, 1487), o Sacramental (Chaves?, 1488) e o primeiro livro conhecido impresso em Português, o Tratado de Confissom (Chaves, 1489), obras sem predominância da ilustração. A Bíblia, de Gutenberg, apresentava ainda iniciais decoradas à mão, segundo a tradição das iluminuras. 

   Contudo, em 1493, em Nuremberga, Hartmann Schedel editou uma obra magnificamente ilustrada - o Liber Chronicarum, com 1809 gravuras. Embora ainda reproduzisse mapas ptolomaicos, algumas das imagens das cidades eram já relativamente fiéis à realidade.

    No século XVI, os cimélios começaram a reproduzir imagens dos continentes entretanto explorados pelos europeus, surgindo obras importantes como a Cosmographia, de Sebastian Münster, publicada em Basileia em 1544, e a Civitates Orbis Terrarum, de Georg Braun (1541-1622) e Frans Hogenberg (1535-1590), uma colectânea de valor inestimável que reproduz o aspecto de muitas cidades europeias, entre elas várias cidades portuguesas. Um dos primeiros cimélios a reproduzir mapas do Brasil foi publicado cerca de 1556 por Giovanni Battista Ramusio (1485-1557).

   No século XVII várias compilações de imagens e mapas foram publicadas, destacando-se a Description de l'Univers (1683-1688), publicada por Allain Manesson Mallet (1630-1706), que reproduz as várias fortalezas "à Vauban" erigidas em Portugal depois de 1640, gravuras que inspiraram muitas edições posteriores.

   Na primeira metade do século XIX, com a influência do Romantismo, multiplicaram-se as gravuras da Europa, entre elas muitas de Portugal (ver: http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/2007/03/20/), Norte de África e Médio e Próximo Oriente.

 

 

© Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D