Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog da Rua Nove

Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
14
Fev07

Autógrafos - António Botto

blogdaruanove

António Botto, Canções (1932).

Capa de Fred Kradolfer (1903-1968)

 

António Botto (1897-1959).

   Poeta marginal e marginalizado, em parte pela frontalidade com que assumiu a sua homossexualidade, Botto viu a primeira edição de Canções ser publicada no início da década de 1920 pela Olisipo, a efémera editora criada por Fernando Pessoa (1888-1935). Pessoa e José Régio (1901-1969), aliás, foram dois admiradores confessos da obra de Botto, tendo elaborado estudos sobre a mesma. Poeta contemporâneo do primeiro Modernismo e do movimento Orpheu, Botto desenvolveu sempre uma modernidade autónoma, criando um espaço literário peculiar que de modo algum assenta exclusivamente no declarado e óbvio conteúdo homoerótico de muitos dos seus poemas. A actualidade e modernidade da sua poesia ainda hoje são características evidentes para o leitor contemporâneo. Tendo-se auto-exilado no Brasil em 1947, aí acabou por falecer, atropelado. As suas obras mais conhecidas serão, eventualmente, As Canções de António Botto (edição completa, 1941), na poesia, e Os Contos de António Botto, para Crianças e Adultos (1942), na prosa.

   Um pequeno excerto de uma canção de António Botto, lido por José Rodrigues Miguéis (1901-1980) e gravado para a Smithsonian Institution, pode ser ouvido em:

 http://www.smithsonianglobalsound.org/trackdetail.aspx?itemid=31889

   Da edição de 1932 do volume Canções transcrevem-se abaixo três poemas, respeitando-se a grafia original.

 

Livro Terceiro, Piquenas Esculturas - Segundo Poema

Erguem-se vozes.

O clamôr, a barafunda

Vae avultando

No silencio da senzála.

E o batuque principia...

Ei-los,

- São quatro tentações de maravilha!

Bronzes

Da mais bela estatuária romana.

E o batúque

Principia

Depois de cobrirem o sexo

Com folhas de bananeira.

O luár cahe, muito quente, gorduroso,

Na areia que escalda...

Ó tropical e excitante bebedeira!

E bailam -

Cantando

Uma lenta melopeia de bruxêdo,

- Só duas notas - diabólica, tristonha.

Um,

Com olhos de prisioneiro amoroso

E dextreza de gentil gladiador,

Não me larga - olha sempre!

E a sua bôca

Entreaberta num sorriso,

Parece um fructo de lúme

Com bagos de prata.

Aos quadris

Atáram guizos,

Ferraduras, e chocalhos,

Moédas, raizes,

Ramarias em flôr,

Manipanços,

E contas de velho marfim doirado.

E o batúque não acaba...

Cáio na areia cansado...

 

Livro Terceiro, Piquenas Esculturas - Décimo Primeiro Poema

Acabemos.

E acabemos para sempre.

Continuar, para quê?

Nem uma palavra amiga,

Nem um sorriso,

Nada

Que dê conforto ou prazer...

Não, acabemos...

Ou acabar..., - ou morrer.

 

Livro Quarto, Olympiadas - Poema Segundo

Eil-a!...

Tu..., avança! - Lá váe ela!

Corre!...

- Atira-te com alma!...

Defende-a... - vamos!, - então?

E a bola, ao entrar nas redes,

Suspendeu a alegria muscular

E a juvenil vibração.

Estoiram as aclamações;

E a luz do sol enfraquece.

Mas, o jogo, novamente principia:

Os "vermelhos"

Vão envolvendo os "leões";

E o ataque

Bem marcado,

Vae revelando a victoria

Que, - desenhada e conduzida

Com rasgos da mais limpida nobreza

Atinge o seu maximo valôr:

- A bóla, rapida, cahe,

Passando

Por entre os braços erguidos

Do garboso jogador.

Palmas, delírio, - grandeza!

Alguem atira uma rosa

Para os "onze" vencedores.

E ao longe o sol agonisa

Numa bohemia de côres.

 

© Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D