Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog da Rua Nove

Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
24
Out07

Autógrafos - Júlio de Sousa

blogdaruanove

 

Júlio de Sousa (1906-1966), Beijei a Lua (1965). Capa e ilustrações do autor.

 

 

Júlio de Sousa (1906-1966). 

   Mais conhecido como pintor, escultor, ilustrador e caricaturista (veja-se a sua notável caricatura de Josephine Baker em http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/216312.html), Júlio de Sousa havia publicado anteriormente três outros livros – dois de poesia, Jogo Perdido (1956) e História da Menina Triste (1963) e um de canções, Saudade, Vai-te Embora ! (1963).

   A quase ignorada dedicação de Júlio de Sousa ao fado acabou por ser condensada na famosa canção homónima do título deste último livro – Saudade, Vai-te Embora!, um fado que, hoje em dia,  poucos associam a este artista que vai caindo no esquecimento.

   De Beijei a Lua transcrevem-se dois poemas, sem título:

 

"O poema que ainda não escrevi

é este.

É este o que mais sinto,

porque não falo de amor, de nuvens,

e de fado, e não minto...

Que todos me detestem

porque não visto

as roupas que outros vestem.

Não obrigo ninguém

a ser como eu,

mas não me obriguem

a descer do meu céu,

ou do inferno em que vivo...

Para ser cúmplice

de indesejáveis.

ninguém passou por mim

como os cães pelas árvores

dos "passeios públicos".

Que todos me detestem

porque não visto

as roupas que eles vestem,

e pareço, o que Sou.

Deus sabe

que não uso "gravata"

porque nenhuma me encantou..."

 

Capa do catálogo da exposição póstuma realizada em 1967, no SNI.

 

"Eu queria ser Domingo,

Amor,

Preguiça,

Flor

num livro de missa

e rosário

nas mãos duma criança,

bandeira verde

na janela da esperança

e campanário...

Eu ueria ser Domingo,

passear ao sol

contigo,

e beijar a Cidade

rua a rua,

e ser alegre como a Liberdade

que me prende a ti...

Eu queria ser Domingo

à sexta-feira,

a esta sexta-feira

em que nasci..."

 

© Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D