Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog da Rua Nove

Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
25
Out07

Manuel Ribeiro de Pavia

blogdaruanove

Desenho publicado na revista Atlântico, número 1, Primavera de 1942, para ilustrar o conto Solstício de Verão, de Manuel da Fonseca (1911-1993).

 

   "O dia continua.

 

   Passados alguns instantes tocaram-me no ombro.

   – O Pavia quer vê-lo.

   Fiz das entranhas coragem e entrei no quarto, enquanto uma voz feminina me anunciava quase aos gritos:

   – Pavia, está aqui o senhor José Gomes Ferreira.

   Sentado na cama, máscara a esvaziar-se, barba crescida, bico de garrafa de oxigénio na narina esquerda, o infeliz autor das Líricas arfava convulso no terror de sentir acabar-se o ar do mundo.

   – Sou eu, Pavia.

   E apertei-lhe a mão com brandura. Tão quente! Mas nos olhos desequilibrava-se já qualquer coisa de fugidio, de voo de lume aos saltos..."

 

in José Gomes Ferreira (1900-1985), Imitação dos Dias (1966; 3.ª edição, 1977). 

 

© Blog da Rua Nove 

13
Set07

Manuel Ribeiro de Pavia

blogdaruanove

 

Capa para Cerromaior (1943), de Manuel da Fonseca (1911-1993).

 

   "Um salto para o passado,

    2 de Novembro de 1943.

 

   Café Portugal. Manuel da Fonseca a semear palavras de invenção poética...

   Acompanhou-me a casa e ouvi-lhe histórias pasmosas, narradas na sua voz de ironia fosca que, de vez em quando, tanto enegrece as palavras de agressividade doce-amarga... O suicídio do senhor da Torre Vã, que se atirou para o chão coberto de cacos de garrafas, depois de obrigar a mulher a dançar nua com uma candeia acesa no umbigo... O Cação, que curou o unheiro do pé com o malho do ofício... O André Algarvio, que saiu para a rua a gritar que era cabrão... Sei lá! Um mundo medonho de malteses bárbaros e inteiros...

   Depois, a conversa ensilvou-se e soube que Cerromaior, o primeiro romance do Manuel, sofreu cortes vários. Supressão de palavras tidas por indesejáveis.

   Uma tristeza de transformar as pedras em caveiras. Com dentes moles."

 

   in José Gomes Ferreira (1900-1985), Imitação dos Dias (1966; 3.ª edição, 1977).

 

© Blog da Rua Nove

25
Abr07

Autógrafos - Manuel da Fonseca

blogdaruanove

Manuel da Fonseca (1911-1993), Um Anjo no Trapézio (1968)

Capa de Pilo da Silva (Piló; 1905-1988)

 

 

Manuel da Fonseca (1911-1993)

   Autor neo-realista, Manuel da Fonseca desenvolveu em prosa uma obra que retrata o Alentejo, as suas vilas e os seus montes, a sua ruralidade, o sofrimento da sua gente, a solidão. Como muitos dos escritores daquele movimento, Manuel da Fonseca era militante do PCP. A sua primeira colectânea de contos, Aldeia Nova, surgiu em 1942. Na poesia, Rosa dos Ventos (1940) foi a sua primeira publicação, em edição de autor. Seguindo os cânones neo-realistas, deixou-nos belíssimos poemas, como Domingo, um comovente retrato da vida urbana, com as suas desilusões e as suas esperanças.

   De Um Anjo no Trapézio, uma colectânea de narrativas essencialmente urbanas, transcreve-se o excerto inicial do conto Manhã Sem Dia:

 

   " Cada vez, as ondas subiam até mais longe, pela duna. Com um referver assobiado de espumas, quase chegavam agora aos pés do homem que estava lá em cima deitado, a olhar para a aldeia.

   Só quando a primeira onda lhe molhou as pernas o homem se apercebeu do encher da maré. Levantou-se. De roupão meio encharcado a arrastar pela areia, foi estender-se um pouco adiante da crista da duna. Apoiou o queixo nos punhos cruzados, e continuou a olhar a aldeia.

   Assim estava ainda, quando o ranger da areia sob pés nus soou. Nem se moveu. Sabia que era a mulher que vinha ao seu encontro, como todas as manhãs.

   – A água? – perguntou ela, depois de poisar o saco.

   – Hã?

   Quieta, por instantes, a mulher observou-o. De costas para o vento, ajeitou o roupão sobre a areia, tirou do saco um frasco acastanhado, uma caixa azul, redonda, e sentou-se.

   – Como está hoje a água? – tornou ela a perguntar. – Fria?

   – Não sei – disse secamente o homem. – Ainda lá não fui."

 

© Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D