Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog da Rua Nove

Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
21
Ago07

Miguel Torga (VIII)

blogdaruanove

  

   Existe uma vasta bibliografia sobre a obra de Miguel Torga. De entre as múltiplas análises e ensaios, refiram-se duas obras da autoria de sua filha, Clara Crabbé Rocha (n. 1955), O Espaço Autobiográfico em Miguel Torga (1977) e Miguel Torga: Fotobiografia (2000); um antigo ensaio  de Eduardo Lourenço (n. 1923), O Desespero Humanista de Miguel Torga e o das Novas Gerações (1955); um outro ensaio de Teresa Rita Lopes (n. 1937), Miguel Torga: Ofícios a "Um Deus de Terra" (1993), e uma obra de Fernão de Magalhães Gonçalves (1943-1988), Ser e Ler Torga (1986).

 

 

   

 

   A propósito de sua filha e de seu pai, anotou Torga no seu Diário (VIII):

 

   "S. Martinho de Anta, 25 de Março de 1956 – Apresentação da neta ao avô. O melhor viático que eu podia trazer ao velho para a viagem do além, que está prestes a fazer. Pus-lhe nos braços secos a vergôntea de vida tenra, e a paz que a minha própria existência nunca lhe deu nimbou-o como um resplendor."

  

 

   Sobre o inesperado falecimento de Fernão de Magalhães Gonçalves e a relação entre os dois autores, escreveu Torga no seu Diário (XV):

 

   "Coimbra, 13 de Junho de 1988 – O telefone tocou, e mal eu imaginava que era um dobre a finados. Que nenhuma memória preencheria no futuro o vazio que me ia ser anunciado. De olhos marejados, contemplo agora o Letes de silêncio que nos separa. Ele ainda a dar os primeiros passos literários, mas já dono de uma personalidade poderosamente marcada pelo selo da autenticidade, aproximou-nos o seu dom de se dar sem reservas. E nenhum laço aperta tanto almas irmãs como a evidência da sinceridade. Os deuses é que não cuidam de acasos felizes. E levaram-no na flor dos anos, ou para confirmarem o aforismo de Plauto, porque o amavam, ou cruelmente para desmerecerem as leis do afecto e tornarem mais absurdo o absurdo."

  

© Blog da Rua Nove

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D